terça-feira, 25 de dezembro de 2012

SÃO JOÃO, APÓSTOLO E EVANGELISTA

 (+ final s. I)

 
27 de Dezembro

Textos de leitura: 1Jo 1,1-4; Jo 20,2-8

Primeira Leitura:

1Caríssimos, o que era desde o princípio, o que nós ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos tocaram da Palavra da Vida2de fato, a Vida manifestou-se e nós a vimos, e somos testemunhas, e a vós anunciamos a Vida eterna, que estava junto do Pai e que se tornou visível para nós –; 3isso que vimos e ouvimos, nós vos anunciamos, para que estejais em comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. 4Nós vos escrevemos estas coisas para que a nossa alegria fique completa ( 1Jo 1,1-4).

 
Evangelho:

No primeiro dia da semana, 2Maria Madalena saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou (Jo 20,2-8)

***************

João, seu irmão Tiago e seu amigo Pedro formavam o grupo predileto de Jesus. Os três foram testemunhas diretas da ressurreição da filha de Jairo (Mc 5,37), da transfiguração de Jesus no Tabor (Mc 9,2), de sua agonia em Getsêmani (Mc 14,33). Jesus teve tal predileção por João que este se assinalava a si mesmo como “o discípulo a quem Jesus amava” (Jo 13,23). Na noite da última ceia reclinou sua cabeça sobre o peito do Mestre (Jo 13,23). João é o único que é fiel a Jesus até o ultimo momento da Cruz. Enquanto os demais abandonaram o Senhor no momento da Paixão e morte. Judas vendeu o Senhor, Pedro o negou, João O acompanhava nos últimos momentos de sua vida terrestre, e como prêmio recebeu Maria como sua Mãe e em seu nome a Mãe de toda a humanidade: “Eis a tua Mãe!” (Jo 19,25-27). Paulo, na Carta aos Gálatas, fala de Pedro, Tiago e João “como as colunas” da Igreja (Gl 2,9).

 
A amizade de João com Pedro foi de sempre. Conterrâneo seu e companheiro de pesca, os dois foram encarregados por Jesus para preparar a ultima Ceia pascal (Lc 22,8). E na manhã da ressurreição ambos comprovavam juntos que o sepulcro estava vazio, como relatou o evangelho na festa de São João, evangelista (Jo 20,2-8). Juntos aparecem também na cura do paralitico por Pedro na frente de um templo e nos momentos de prisão (At 3,1-11).

 
Através de seus escritos percebemos que João evangelista é uma pessoa de profunda reflexão. Ele escreve com muita profundidade. Por isso, o símbolo de seu evangelho é águia, é um pássaro que voa alto. Para entender o que ele escreveu é preciso descobrir o que tem nas linhas, nas entrelinhas e fora das linhas. É um homem com muito amor. Para ele, o amor fraterno é a carteira de identidade de qualquer cristão pelo qual todos o reconhecerão como seguidores de Jesus Cristo (Jo 13,34-35). É um homem de muita e ele convida todos a terem em Jesus Cristo para ter a vida eterna (Jo 20,30-31. Expressamente na sua primeira Carta ele escreveu: “Esta é a vitória que vence o mundo: a nossa ” (1Jo 5,4). É um homem que capta com rapidez os sinais de Deus na vida (cf. Jo 21,7). O segredo disso é o seu amor profundo pelo Senhor Jesus e por isso tem uma serenidade em captar bem o significado dos acontecimentos. É um homem que respeita hierarquia e competência. O evangelho nos relatou que mesmo que chegasse primeiro ao túmulo de Jesus, João não entrou para deixar Pedro, que é o Primeiro entre as partes, entrar primeiro (Jo 20,3-7). Como discípulo amado e como um discípulo que amava Jesus, João não tinha medo de acompanhar Jesus até a sua morte (Jo 19,25-27). Através do Livro de Apocalipse João nos transmite uma esperança no Senhor nas horas de profundas dificuldades, pois Deus é o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Começo e o Fim e nos garante que aquele que é perseverante até o fim testemunhando a vida cristã seu nome será escrito no Livro da Vida (cf. Ap 21,13-14).

 
O evangelho, lido na festa de São João Evangelista, nos apresenta o que é fundamental dos Apóstolos: eles são seguidores de Jesus, testemunhas da ressurreição, crentes em Jesus Ressuscitado e em todo seu caminho. Na época de Natal, enquanto contemplamos o Menino Jesus recém-nascido, somos convidados a viver esta mesma , a plena que São João viveu e transmitiu para todos os seus leitores, inclusive, para nós todos. João é testemunha daquilo que Jesus viveu e fez (1Jo 1,1-4), e nos convida a reconhecermos em Jesus a Palavra do Pai: “No princípio era Verbo e o Verbo era Deus. (...) E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,1. 14). Ele escreveu seu Evangelhopara que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome” (Jo 20,31). Em seus escritos João fala do amor-comunhão de Deus conosco e do amor que temos de ter aos irmãos.

 
Todas as exposições de João, na primeira leitura (1Jo 1,1-4), tendem para a mesma conclusão: Deus se revela através de certas qualidades: justiça, amor, verdade, vida, luz etc., e o cristão que atua em conformidade com essas qualidades: vive conforme a justiça, ama, caminha na direção da Luz, está do lado da verdade etc., penetra em uma determinada relação existencial com Deus a qual João designa aqui com o nome de comunhão. E essa comunhão consiste numa presença de Deus no homem e numa presença do homem em Deus, pela comunicação de vida realizada plenamente em Jesus Cristo (Jo 10,10). Essa comunhão é também uma aliança através da qual Deus concede ao homem um coração novo para poder conhecê-Lo (Jr 31,31-34; Ez 36,25-28; cf. 1Jo 5,19; 2,27). Mas quando se fala do conhecimento não se trata de um conhecimento intelectual e abstrato, mas trata-se de uma comunhão existencial.

 
Pedimos ao São João que tenhamos um pouco de seu espírito de reflexão sobre os fatos e os acontecimentos de nossa vida para entender seu sentido; que tenhamos um pouco do seu amor pelo Senhor e pelos irmãos; que tenhamos um pouco de sua para que possamos captar os sinais de Deus na nossa vida e para que sejamos perseverantes até o fim vivendo os ensinamentos de Cristo no nosso cotidiano a fim de que um dia nosso nome seja escrito também no Livro da Vida (Ap 3,5; 20,11-15). Que assim seja!!!

 
P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: