segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

10 de Janeiro

O HOJE DE DEUS E O MEU HOJE

 

Texto: Lc 4,14-22

Naquele tempo, 14Jesus voltou para a Galileia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza. 15Ele ensinava nas suas sinagogas e todos o elogiavam. 16E veio à cidade de Nazaré onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado e levantou-se para fazer a leitura. 17Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: 18“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos 19e para proclamar um ano da graça do Senhor”. 20Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”.  22aTodos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca.

 **************
O evangelista Mateus nos apresenta Cristo com os traços de um Rabi ambulante (cf. Mt 4,12-17). Mas o evangelista Lucas que é mais liturgista começa e termina seu evangelho pela narração de acontecimentos que se desenvolvem no Templo (Lc 1,5-23; 24,50-53: seu evangelho começa e termina com oração), e dá início ao ministério de Jesus Cristo dentro da liturgia sinagogal do Sábado.

 
Na liturgia sinagogal a primeira leitura é tirada da Lei (Pentateuco). E era lida e comentada por um doutor da Lei. A segunda leitura, de origem mais tardia, era tirada dos profetas e podia ser lida e comentada por qualquer que tivesse ao menos trinta anos de idade. Jesus tinha trinta anos e reivindicou o direito de ler e comentar essa segunda leitura. Seu primeiro discurso público é, pois, uma homilia litúrgica que contém já um programa messiânico de Jesus para sua vida ministerial daqui em diante. Nos dois versículo se encontra uma vida programática de Jesus no seu ministério: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”.

 
Na sua homilia, que tem toda sua programação messiânica de seu ministério, Jesus usa a seguinte expressão: “Hoje se cumpriu...”. A mesma expressão será usada nos momentos importantes do ministério de Jesus: no nascimento de Jesus (Lc 2,11), na conversão de Zaqueu (Lc 19,5.9), na resposta de Jesus ao pedido do criminoso convertido (Lc 23,43). Com essa expressão Jesus quer enfatizar que o Reino de Deus não é questão futura e sim já é de hoje. Ele já está presente nos corações abertos a ele.

 
Jesus faz sua reflexão/homilia usando a expressão “hoje se cumpriu...” ao comentar a leitura que acabou de ler. Isto quer nos dizer que a Liturgia da Palavra não é uma simples lição moral de catecismo, nem a afirmação da esperança escatológica fomentada pelos profetas, e sim proclama o cumprimento do desígnio do Pai no Hoje da vida e da assembléia reunida. Já não se contempla um passado cumprido ainda que seja de uma época de ouro ou de caída, já não se sonha mais num futuro extraordinário; vive-se o tempo presente como momento privilegiado, pois o tempo da graça (Kairós) se confunde com o tempo cronológico (Kronos) porque Deus, através de sua encarnação, decidiu entrar no nosso tempo para transformá-lo em tempo da graça. Este é o próprio princípio da homilia, cuja tarefa essencial é a de aplicar a Palavra Eterna e intemporal para o dia de hoje dos homens.

Hoje se cumpriu...”! Em cada momento contém a eternidade, o Hoje de Deus. Hoje devemos decidir nossa salvação. Hoje devemos fazer aquilo que deve ser feito. Hoje mesmo devemos visitar quem deve ser visitado. Hoje mesmo devemos perdoar e dar o perdão a quem deve ser perdoado. Hoje mesmo devemos mudar o mutável, corrigir o corrigível, carregar o carregável, abandonar o abandonável. Hoje mesmo devemos nos converter. Amanha talvez seja tarde demais! O Hoje de Deus nos faz vivermos acordados. O desafio é estar permanentemente acordados, atentos. A todo o momento surgem fatos e ocasiões, ideias e caminhos novos, novas descobertas que podem ser uma oportunidade valiosa para quem está em prontidão para o Hoje de Deus. É estar de mãos livres e vazias para receber algo valioso de Deus; estar de olhos abertos e de coração aberto para receber o Senhor que vem nos visitar; estar de pés calçados para tomar o caminho. A vida é feita de momentos e os momentos oferecem oportunidades dadas por Deus. Quem fica adormecido perde muitas oportunidades de Deus. quem vive sentado ou deitado pode perder esses momentos.

 
Hoje se cumpriu...”! O que você faz com o seu Hoje? De que maneira você acolhe o Hoje de Deus neste momento? O que Deus fala neste momento para o seu Hoje?


P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: