sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

I DOMINGO DA QUARESMA DO ANO “C”

17 de Fevereiro de 2013


COM JESUS VENCEREMOS AS TENTAÇÕES


Texto: Lc 4,1-13 (as tentações)

 
Naquele tempo, 1 Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito. 2 Ali foi tentado pelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada naqueles dias e, depois disso, sentiu fome. 3 O diabo disse, então, a Jesus: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se mude em pão”. 4 Jesus respondeu: “A Escritura diz: ‘Não só de pão vive o homem’” 5 O diabo levou Jesus para o alto, mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo 6 e lhe disse: “Eu te darei todo este poder e toda a sua glória, porque tudo isto foi entregue a mim e posso dá-lo a quem quiser. 7 Portanto, se te prostrares diante de mim em adoração, tudo isso será teu”. 8 Jesus respondeu: “A Escritura diz: ‘Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás’”. 9 Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém, colocou-o sobre a parte mais alta do Templo e lhe disse: “Se és Filho de Deus, atira-te daqui abaixo! 10 Porque a Escritura diz: ‘Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito, que te guardem com cuidado!’ 11 E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em alguma pedra’”. 12 Jesus, porém, respondeu: “A Escritura diz: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’”. 13 Terminada toda a tentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno.

**************

O evangelho do primeiro domingo da quaresma fala das tentações de Jesus. Como discípulos do Senhor, também nunca estamos isentos de qualquer tentação no seguimento do Senhor. Confiando no Senhor e seguindo Seu exemplo superaremos também as tentações.

 
1. O que é a tentação?          


Tentar é uma tradução do verbo grego “peirazo” que significa propriamente fazer uma tentativa, provar alguma coisa, colocar alguma coisa à prova. “Prova-se alguém para se saber se está pronto para praticar o bem... Se estiveres pronto para o bem, há indício de que é grande tua virtude... Deus prova alguém, não porque se Lhe esteja oculta sua virtude, mas para que todos a conheçam e que sirva de exemplo... Deus tenta incitando ao bem... e prova-se alguém incitando-se ao mal. Quem resistir bem à tentação, a ela não consentindo, dará um bom indício de virtude; se a ela sucumbir, mostra que ainda é fraco” (Sto. Tomás de Aquino,  em Comentário ao Pai Nosso, “Pater Noster” Expositio).

          
Segundo a Teologia Moral, entende-se por tentação toda aquela sugestão interior que, procedendo de causas tanto internas como externas, incita o homem a pecar. A tentação expressa a inclinação humana para a grave queda moral e espiritual, para a desagregação pessoal e social. As tentações apelam para o lado mais obscuro do homem, para as potencialidades do egocentrismo ilimitado, da soberba e presunção, da ambição desapiedada, da desonestidade e engano, de ódio, de hostilidade e de abuso dos outros. Somos tentados por desejos ilusórios, por um gênero de vida unicamente existente na fantasia. Somos tentados a esconder-nos dos outros, apresentando uma imagem de nós mesmos que não seja autêntica. Cada um é tentado a servir-se dos outros para satisfazer a si mesmo; a manipulá-los em nome da amizade e do amor, para subjugá-los a seus próprios desejos. O ser humano é tentado a idolatrar a si mesmo e a idolatrar seu poder, e isto o faz cair no pecado de soberba que perturba as relações dos homens entre si. As tentações podem estar adormecidas, mas nunca ausentes. Elas são capacidades latentes, que muitas vezes, escondidas sob uma variedade de atitudes virtuosas aparentes, de valores aparentemente autênticos, de comportamentos presumidamente respeitáveis, e possuem a capacidade de transformar qualquer coisa não definitiva em centro de interesse definitivo. Por isso, o cristão, para poder prosseguir sua caminhada atrás de Cristo, vencedor de todas as tentações, precisa orar sem cessar(Lc 18,1), pois a vida cristã  é constante confronto e contínua superação das tentações diariamente. “Vigiai e orai para não cairdes em tentação”(Mt 24,41).

                     
As tentações são pecado, não quando as sentimos, mas só quando voluntariamente as consentimos. Importa compreender com clareza que a tentação só pode “incitar” a pecar, mas nunca obriga a vontade. Nenhuma força interna ou externa pode obrigar o homem a pecar. Nenhuma tentação é superior às nossas forças (1Cor 10,13).
      

2. As Tentações de Jesus:

           
Há dois episódios que antecedem as tentações de Jesus: o de Batismo e o da genealogia. No Batismo uma voz do céu dizia a Jesus: “Você é o meu Filho amado, que muito Me agrada” (3,22). Aqui Deus Se revela como Pai que gera e garante a missão do Filho. Em outras palavras Deus quer dizer a Jesus assim: “Eu vou Te cuidar, por que te amo. Tu deves acreditar em Mim totalmente”. E na genealogia, sendo filho de Adão, Jesus é chamado a ser Filho de Deus. Filho de Deus é aquele que confia em Deus como Pai, aquele que opta mais pela fragilidade sustentada por Deus, cuja força é Deus que termina na glória eterna, do que pela força mundana que terminará na perdição e perda eternas. Ao contrário, ser filho de Adão é aquele que tem desconfiança de Deus, que garante a própria vida, aquele que tem medo de fragilidade humana. Como conseqüência de tudo isso, ele acumula riqueza ( como segurança ), detém nas mãos o poder, prazer e saber. Nas tentações o diabo como se dissesse a Jesus: Eu te garanto a tua vida. Mas tu precisas de poder econômico, político e messias triunfalista. Tudo isso vai dar-te a segurança. Deves ter a desconfiança de Deus. Jesus resiste-se diante de tudo isso porque prefere ser Filho de Deus que não tem medo de fraqueza e da existência porque para ele Deus é a força que dá a segurança para sua vida.  

              
Segundo o evangelista Lucas Jesus foi tentado pelo Diabo. Este termo vem do grego, do verbo “diaballo”/diábolos que quer dizer jogar um obstáculo  entre duas coisas para provocar a sua divisão. Diabo, portanto, aquele que provoca divisão e desunião, seja dentro da pessoa ou entre as pessoas. Por isso, ele está em todos os lugares em que as pessoas, as estruturas e as instituições impedem a realização da justiça que libertará as vítimas das relações desiguais que a humanidade cria e perpetua como “ordem”, muitas vezes com a petulância de chamar isso de vontade de Deus. Por isso, não se pode, sem mais nem menos, associar diabo à enfermidade. Desta forma, o diabo se torna um bode expiatório muito conveniente e desvia o homem de suas próprias responsabilidades no mundo.

          
Jesus foi tentado “três vezes”. O três indica o completo e o definitivo (Is 6,3:os três vezes santo). A tríplice tentação de Jesus, portanto, compendia todas as tentações. Isto quer dizer que Jesus foi tentado durante a vida inteira. Até na cruz ele foi tentado para usar o poder como Filho de Deus para libertar-se e libertar os dois criminosos que foram crucificados ao seu lado (Lc 23,35.37.39).

 
2.1. Tentação do Ter ( abundância, riqueza, dinheiro, posses, bens temporais ).

          

Jesus é tentado para transformar as pedras em pão. Mas Jesus não aceita esta tentação: “Não só de pão o homem vive”. A resposta é curta e profunda que faz o tentador partir para outra tentação. Esta tentação é considerada como inadequada porque a vida que Cristo veio comunicar não pode ser reduzida ao puro e simples bem-estar do corpo, pois isso seria esquecer que a pessoa vive mais propriamente em seu pensamento, em seu amor, e em sua liberdade.

          
A tentação do ter é uma tentação de toda a pessoa humana, por conseguinte de Jesus. Esta tentação é tanto mais perigosa por se tratar de um valor ambíguo (bom e mau ao mesmo tempo). Muitas Igrejas pregam que o ter (dinheiro) é sinal da bênção de Deus, e, assim sendo, a pobreza é sinal de desagrado por parte de Deus. Elas seguem esta filosofia: “Ame a Jesus e enriqueça!” Muitas Igrejas estão saturadas de meios prontamente disponíveis para se obter bem-aventurança, que vão desde fórmulas matemáticas exatas (Deus o abençoará sete vezes mais. Deus lhe dará em dobro. Assim, Deus sempre fica devendo, pois o homem passa a dívida para Deus sem escrúpulo para ficar livre de qualquer cobrança), até formas muito mais sutis, porém igualmente destrutivas.

 
O medo diante de qualquer perigo que possa ameaçar a própria segurança e prosperidade corporal tenta o homem a esquecer os valores pessoais mais autênticos e a perder a perspectiva correta. Sabemos que Ter é uma função normal de nossa vida: a fim de viver nós devemos ter coisas. Além do mais devemos ter coisas a fim de desfrutá-las. Todo ser humano tem alguma coisa: um corpo, roupas, habitação etc. Viver sem ter alguma coisa é virtualmente impossível. Mas para uma cultura ou uma sociedade que valoriza muito o ter cria facilmente a divisão entre os homens e desigualdade tremenda. Porque para esta cultura ou sociedade  a essência de ser é ter. Consequentemente quem nada tem, ele não é ou sem valor (cf. Erich Fromm: Ter ou Ser?).

         
Jesus criticou a tentativa de resolver o problema da vida através do sonho da abundância, porque atrás deste sonho se escondem as piores injustiças. Numa situação econômica, tanto o povo daquele tempo, como o de hoje, está disposto a entregar tudo em troca de pão; é nesse momento que a fome do povo pode ser explorada, tornando-se instrumento de dominação.

         
Jesus responde ao tentador: “Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. Não basta satisfazer a fome do pão. É preciso saciar todas as outras fomes, como roupa, moradia, escola, assistência médica, lazer etc., sem enganar aquela fome radical de absoluto, que mantém o homem sempre aberto para horizontes ilimitados de vida e liberdade.
 

2.2. Tentação do Poder (dominação, mando, autoritarismo, tirania)

         
O poder nos atinge em nossos relacionamentos. Ele exerce impacto profundo sobre nossos relacionamentos interpessoais, nossos relacionamentos sociais, e nosso relacionamento com Deus. Nada nos toca mais profundamente para o bem ou para o mal do que o poder. O poder pode destruir ou criar. Ele pode destruir relacionamentos, confiança, diálogo e integridade.  O pecado do poder é o desejo de ser mais do que aquilo para o qual fomos criados. O poder precisa obter mais a supremacia, possuir mais, acumular mais e conquistar mais para manter-se no mesmo. O instinto de dominar sobre os outros está profundamente arraigado no coração humano que até mesmo o pobre sente o desejo irrefreável de prevalecer sobre quem é ainda mais fraco do que ele. Não acontece, por exemplo, que para conseguir um documento ou um serviço ao qual tem direito, a pessoa deva sujeitar-se a humilhações e resignar-se a ouvir palavras ofensivas até do mais insignificante dos empregados?

          
Mas existe outro poder que não destrói, um poder que cria. O poder que cria dá vida, gozo e paz. O poder que cria é um poder espiritual, o poder que procede de Deus. Esse poder se chama autoridade, pois ele vem do carisma. Quando se fala do carisma fala-se do Espírito Santo, fonte de todos os carismas. O poder que cria é aquele que restaura relacionamentos. O poder que cria liberta as pessoas. Quando um líder usa sua posição superior para edificar a autoestima dos seus membros sob seu comando, está usando o poder para libertá-los. O poder que cria produz união, assim por diante.

         
Às vezes cedemos a esta tentação sem nem mesmo perceber. Cede-se a esta tentação quando a autoridade, ao invés de ser posta a serviço da comunhão, torna-se um espaço em que se celebra a própria superioridade; onde quer que se exerça o domínio sobre a pessoa humana, onde quer que alguém, em nome do poder que lhe foi conferido, mesmo espiritual, venha privar os outros dos seus direitos e da sua liberdade, onde quer que alguém seja reduzido à condição de escravo, ali entra a lógica deste mundo ou lógica do diabo na linguagem de Lc.

         
A proposta de Jesus é completamente diferente: grande é aquele que se coloca a serviço dos outros, aquele que se ajoelha diante do irmão mais pobre para lavar-lhe os pés.


3) Tentação do prestígio ou do valer ( nome, honrarias, títulos, status e aparências )

         
O homem precisa do reconhecimento dos outros. Pelo contrário, a sua vida parece carecer de sentido. Contudo, a busca da vaidade, da vanglória, das honrarias é um perigo, tanto mais que estas estão normalmente aliadas à riqueza e ao poder.

         
A busca do maravilhoso e do espetacular é uma tentação típica do povo, que acredita facilmente naqueles que fazem coisas fora do comum. Todo mundo está disposto a andar atrás daqueles que conseguiram sucesso, prestígio, status. Quem está fora sempre acaba acreditando e engolindo que “essa pessoa é mesmo um deus”. O pior é que, como conseqüência inevitável, o povo acaba pensando que ele próprio não vale nada, não é capaz e nem presta para nada. Cada um é capaz de fazer algo na vida por isso Deus o mandou para esta terra. Cada um está no mundo por causa de Deus. Muitas vezes confiamos tanto em Deus, até esquecemos que Deus também deposita sua confiança em cada um de nós. Como se Deus dissesse a cada um: “Vá meu filho/minha filha, você é capaz”.

         
Jesus recusou o prestígio porque isso falsificaria completamente o seu projeto. A regra apontada por Jesus é bastante clara: “Quanto a vós, não permitais que vos chamem Rabi, pois um só é o vosso Mestre e todos vós sois irmãos”.

         
O evangelho deste domingo resume, de certa maneira, como Jesus vive a sua missão salvadora até o fim. Ele é tentado a usar do seu poder messiânico para fins egoístas. Em outras palavras, ele é tentado a viver na auto-suficiência, dispensando Deus e seu projeto de salvação. Mas Jesus vence essas tentações, sempre. Jesus não põe Deus a seu serviço, mas ele se põe a si mesmo totalmente a serviço de Deus e seu plano de amor.

         
Hoje em dia somos educados e tentados, de muitas maneiras, a viver de maneira auto-suficiente e egoísta. Somos educados a usar os nossos conhecimentos e o nosso saber para fins egoístas, somos tentados à “esperteza” de querer só “levar vantagem em tudo”, colocando Deus e seu projeto de fraternidade em segundo plano. Dentro da mentalidade consumista de hoje, que prioriza o ter acima do ser, nós todos  somos tentados a fazer até mesmo do templo e da religião um lugar onde Deus existe apenas para nos servir. Chega de sermos consumidores de fé, vamos ser colaboradores de Deus.


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: