sábado, 25 de janeiro de 2014

 
SER REFLEXO DE CRISTO PARA OS OUTROS


Quinta-Feira Da III Semana Do Tempo Comum
30 de Janeiro de 2014
 

Primeira Leitura: 2Sm 7,18-19.24-29

Depois que Natan falara a Davi, o rei entrou no tabernáculo 18foi assentar-se diante do Senhor, e disse: “Quem sou eu, Senhor Deus, que é a minha família, para que me tenhas conduzido até aqui? 19Mas, como isto te parecia pouco, Senhor Deus, ainda fizeste promessas à casa do teu servo para um futuro distante. Porque esta é a lei do homem, Senhor Deus! 24Estabeleceste o teu povo, Israel, para que ele seja para sempre o teu povo; e tu, Senhor, te tornaste o seu Deus. 25Agora, Senhor Deus, cumpre para sempre a promessa que fizeste a teu servo e à sua casa, e faze como disseste! 26Então o teu nome será exaltado para sempre, e dirão: “O Senhor Todo-poderoso é o Deus de Israel”. E a casa do teu servo Davi permanecerá estável na tua presença. 27Pois tu, Senhor Todo-poderoso, Deus de Israel, fizeste estas revelação ao teu servo: ‘Eu te construirei uma casa’. Por isso o teu servo se animou a dirigir-te esta oração. 28Agora, Senhor Deus, tu és Deus e tuas palavras são verdadeiras. Pois que fizeste esta bela promessa a teu servo, 29abençoa, então, a casa do teu servo, para que ela permaneça para sempre na tua presença. Porque és tu, Senhor Deus, que falaste, e é graças à tua bênção que a casa do teu servo será abençoada para sempre”.


Evangelho: Mc 4,21-25

Naquele tempo, Jesus disse à multidão: 21 “Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la debaixo de um caixote, ou debaixo da cama? Ao contrário, não a põe num candeeiro? 22 Assim, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto. 23 Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça”. 24 Jesus dizia ainda: “Prestai atenção no que ouvis: com a mesma medida com que medirdes, também vós sereis medidos; e vos será dado ainda mais. 25 Ao que tem alguma coisa, será dado ainda mais. Do que não tem, será tirado até mesmo o que ele tem”.

----------------------------


1. Uma Palavra de Esperança


As palavras que se cruzam no texto do evangelho de hoje são muito significativas. Os termos usados: lâmpada, caixote (vasilha), cama e candeeiro explicam o caminho que a lâmpada acesa evita para alcançar seu objetivo: estar no candeeiro, iluminar, fazer visível o que está escondido.


Da reflexão sobre a lâmpada brota naturalmente a reflexão sobre o versículo 22: “Assim, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto”. Aqui Jesus fala para seus discípulos e lhes explica que todo o escondido, se manifestará ou se revelará inclusive para os que estão fora do círculo dos seguidores de Jesus. A revelação da força salvadora de Deus em Jesus, que até então permanece escondida para quem não se converte, um dia será descoberta ou posta em claro. Em outras palavras, um dia Deus, com um ato de Sua força fará visível e será revelada aos que estão de fora Sua força que salva.


Assim, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto”. Estas palavras, lidas no contexto da vida terrena de Jesus, recusadas pelo seu povo, ressoam como um ato de esperança. E para nós hoje os três primeiros versículos do texto do evangelho de hoje (vv.21-23) ressoam como o convite de Jesus: “Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça”. Isto quer nos dizer que somos convidados a viver a mesma esperança de Jesus. A esperança é o sonho do homem acordado”, dizia o filósofo Aristóteles.  A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero” (Victor Hugo).


2. Ser Luz Que Se Consome Para Iluminar a Vida Dos Demais


Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la de baixo de um caixote ou em baixo da cama? Ao contrário, não a coloca num candeeiro?”.


Jesus é um observador do real. Nada escapa do seu olhar e de sua observação. É um homem atento em todo momento e em qualquer lugar. Sem dúvida, ele via a sua Mãe, Maria, na casa acendendo a lâmpada ao anoitecer para colocá-la, não de baixo da cama onde resultaria inútil e sim no centro da sala, sobre um candeeiro a fim de iluminar o mais possível a casa.


Através deste simples gesto familiar, já belo humanamente, Jesus viu um “símbolo”. Cada realidade material evoca para Ele o invisível. Jesus se experimentou como uma lâmpada que se consumiu entregando-se no serviço de uma causa para os demais a fim de salvá-los das trevas da morte. Como uma vela, sua vida terrena foi acabando iluminando a humanidade para que essa pudesse encontrar o caminho da verdadeira vida (cf. Jo 8,12).


A Palavra de Deus não foi feita para ser guardada para si. Ninguém recebe a Palavra de Deus verdadeiramente se não comunicá-la para os demais. Toda vida cristã que se fecha em si mesma no lugar de irradiá-la não é querida por Jesus. Crer em Jesus Cristo significa aceitar em nós Sua luz e por nossa vez temos que ser reflexos da verdadeira Luz comunicando essa mesma luz aos outros com nossas palavras e nossas obras.


Na celebração do Batismo, e logo em sua anual renovação na Vigília Pascal, a vela de cada um, acendida do Círio Pascal é um formoso símbolo da Luz que é Cristo, que se comunica a nós e que se espera que logo se difunda através de nós aos demais. Não podemos escondê-la. Segundo Santo Tomás de Aquino, o ser humano está ordenado à felicidade sobrenatural pelos princípios do entendimento e pela tendência natural de sua vontade ao bem. Ao não obedecer à sua tendência natural para o bem o homem ficará longe da felicidade e ainda fará os outros infelizes, pois o ser humano não somente vive, mas convive.


3. Medida De Deus Sobre Nós


Prestai atenção no que ouvis: com a mesma medida com que medirdes, também vós sereis medidos; e vos será dado ainda mais. Ao que tem alguma coisa, será dado ainda mais. Do que não tem, será tirado até mesmo o que ele tem”.


Qual é a medida do amor que Deus usou para nós? Para saber disso, precisamos contemplar Cristo morto e ressuscitado por nós. Em Jesus conhecemos o amor que Deus tem por nós. São João expressa esse amor com a seguinte frase: “Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna” (Jo 3,16).


É importante compreender que Cristo, ao pagar por pura misericórdia o que não devia na justiça, fez da misericórdia Sua lei fundamental e a condição indispensável para poder aproveitar o dom gratuito que a redenção significa, essa redenção sem a qual todos estaríamos irremissivelmente perdidos para sempre.


Sendo portadores de Cristo, pois somos chamados de cristãos, devemos ser um sinal claro de seu amor para todos os homens. Para isso, Jesus nos alimenta constantemente, na Eucaristia, com Seu Corpo entregue por nós e com Seu Sangue derramado para o perdão de nossos pecados. Ao celebrar a Eucaristia, fazemos nosso o compromisso de deixar que o Senhor nos converta num sinal claro, nítido, brilhante de Seu amor no mundo.


Quem participa da Eucaristia não pode passar a vida como destruidor do próximo. Não pode viver uma fé intimista, de santidade personalista. Deus nos encheu de sua própria vida (Gn 2,7) fazendo-nos filhos seus para que convivamos como irmãos e irmãs, filhos e filhas do mesmo Pai celeste. Por isso, os que fazem parte da Igreja de Cristo devem ser os primeiros em ser luz para os demais, em lutar pela paz; os primeiros em trabalhar por uma autêntica justiça social. Se somente professamos nossa fé nos templos e depois vivemos como ateus, então não temos direito de voltar a Deus para escutá-Lo somente pelo costume. Os cristãos fazem parte e devem fazer parte dos responsáveis por um mundo que seja cada vez mais justo e fraterno.


Por isso, resta para nós estas perguntas: Será que iluminamos e comunicamos fé e esperança aos que estão ao nosso redor? Será que somos sinais e sacramentos do Reino em nossa família, em nossa comunidade e em nossa sociedade?  Será nossa vida, nossas escolhas de cada dia assinalam para o Reino de Deus? Nenhum cristão se anula no testemunho de uma vida digna de um filho de Deus nesta terra. O testemunho é a entrega da própria vida para que outro viva; consumir-se ajudando outros para que tenham vida, não escondendo-se e sim entregando sua vida por uma causa digna. Se não há entrega não se pode pedir a outro que se entregue, porque o Reino de Deus se faz com a entrega de uns aos outros. Quem não se entrega, se empobrece e se anula por si só.

P. Vitus Gustama, SVD

Nenhum comentário: