segunda-feira, 8 de setembro de 2014

 
NATIVIDADE DE MARIA
08 de Setembro
 
DIA DA FUNDAÇÃO DA CONGREGAÇÃO DO VERBO DIVINO- SVD
(08/09/1875)
***********************



Evangelho: Mt 1,18-23(leia também Mt 1,1-17)

18 A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19 José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20 Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21 Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”.  22Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23 Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”.


No dia 08 de setembro celebramos a festa da Natividade de Nossa Senhora. Nada nos diz o Novo testamento sobre o nascimento de Maria. Nem sequer nos dá a data ou o nome de seus pais, ainda que segundo a lenda se chamavam Joaquim e Ana. Segundo a Tradição, a Virgem, Mãe do Senhor, nasceu em Jerusalém. A Liturgia oriental celebra o nascimento de Maria cantando poeticamente que este dia é o prelúdio da alegria universal em que começaram a soprar os ventos que anuncia a salvação. por isso, nossa liturgia nos convida a celebrarmos com alegria o nascimento de Maria, pois dela nasceu o Sol de justiça, Cristo Nosso Senhor.


Tudo o que sabemos a respeito do nascimento de Maria se encontra no evangelho apócrifo de Tiago segundo o qual Ana, sua mãe, se casou com um proprietário rural chamado Joaquim, Galileu de Nazaré. Joaquim significa “o homem a quem Deus levanta”. Descendência da família real de Davi. Levavam vinte anos de matrimonio e o filho tão sonhado não chegava. Os hebreus consideravam a esterilidade como uma prova do castigo do céu. Eram, por isso, menosprezados. No Templo, Joaquim ouvia as murmurações sobre os dois (Joaquim e Ana) como indignos de entrar na casa de Deus. Ana intensificou suas orações, implorando a graça de ter um filho. Joaquim e Ana foram premiados com o nascimento de uma filha única, Maria. Nasceu uma santa, fruto do presente de Deus pelas orações assíduas de Joaquim e Ana.


Maria, cheia de graça (Lc 1,28), vivia com perfeita filha de Deus, entre homens que havia perdido a filiação divina por causa pecado. Maria como cheia de graça não pecou jamais.


Esforcemo-nos a viver como Maria, criança, adolescente, jovem, mãe carinhosa e solícita, trabalhadora, paciente na pobreza, nas perseguições e humilhações e nas adversidades. Educadora com a palavra e a vida de seu Filho, de seus filhos e filhas que somos nós todos. Assim seremos motivo de consolo, de força e de gozo para todos ao nosso redor.


A festa da natividade de Maria é uma das festas mais arraigadas na tradição popular cristã, pois o que se contempla biblicamente é o esplendor da aura, do nascimento, do auge da maternidade do Redentor que nos salva. Maria é, hoje, com efeito, como a aurora que anuncia a aparição do Sol da justiça, da vida, do amor. No plano de Deus, Maria faz parte dos segredos de Deus, e será a mulher que acompanha o Messias em seu caminho de salvação de toda a humanidade.


Esta festividade nos situa no marco de uma história na qual surge a ação divina a partir de baixo e proclama a num Deus que não tarda em cumprir Suas promessas. A partir deste acontecimento o cristão descobre em cada momento um momento de salvação. O krónos (tempo medido pelos segundos) se transforma em kairós (tempo da graça divina). O tempo é carregado da ação salvífica de Deus. A história carrega consigo os sinais de Deus que o ser humano precisa decifrar seu sentido. Deus atua em cada passo do campo humano de cada dia suscitando homens e mulheres, como Maria, Mãe do Senhor, que fazem possível e sacramental o atuar de Deus em função da salvação da humanidade. Assim foi Maria, com seu nascimento, fez possível a ação de Deus no mundo. De fato, percebemos que Deus não abandona a humanidade.


Nos textos litúrgicos escolhidos para honrar hoje a Maria não se fala na natividade de Maria: um fato que ficou no anonimato. Nos desígnios de Deus, a humildade, o silêncio, o passar desapercebido, é uma atitude habitual. Somente os acontecimentos posteriores vão iluminando em cada passo o mistério escondido no nascimento.


A liturgia se fixa no grande acontecimento da natividade de um Menino, de um Eleito, Predestinado: Jesus que, provindo da casa e da família de Davi, dá cumprimento a quanto na Bíblia se disse sobre o Messias, o Salvador.


Mesmo assim, pelos mesmos textos que nos propõe a liturgia desta festa não cabe dúvida de que existe uma estreita relação entre nascimento de Jesus e o de Maria. A importância desta festa é assinalada pela figura e pelo papel desta Mulher. Por seuSim” ao projeto de Deus, por seu amor e seus cuidados, por sua no Deus libertador é que Deus põe nela Sua morada. E por sua esperança é que Maria encarna as esperanças de seu povo.


Para explicar a origem de Jesus, no evangelho lido neste dia, o evangelista Mateus emprega um recurso literário utilizado na antiguidade que é a genealogia. As genealogias serviam para conhecer os antepassados de uma pessoa, e isto era de suma importância na cultura dos povos do oriente antigo, na qual o indivíduo se entendia a si mesmo e era visto pelos demais como parte de um grupo com que estabelecia uma relação de parentela pelos laços de sangue e da carne. A família era o depósito de honra acumulado por todos os antepassados, e cada um de seus membros participava da dita honra e era obrigado a defendê-la.


A intenção de Mateus ao começar seu evangelho com a genealogia é dar a conhecer a ilustre ascendência de Jesus, que se remonta nada menos que a Davi e a Abraão, apresentando-o assim como um personagem muito importante e honrável para os olhos de seus contemporâneos.


Através da genealogia Mateus quer nos dizer que Jesus é da descendência de Davi. Em outras palavras, Jesus é o Filho de Davi. Mais tarde este título sairá da boca dos dois cegos: “Filho de Davi, tem piedade de nós!” (Mt 9,27). E na sua entrada em Jerusalém Jesus será clamado de “Filho de Davi”: “Hosana ao Filho de Davi! Bendito seja aquele que vem em nome do Senhor. Hosana no mais alto do céu!” (Mt 21,9).   Hosana (hebraico) = Salva, eu te peço! (cf. Sl 118,25).


Mas Mt não pára na identidade de Jesus comoFilho de Davi”. Através deste capítulo primeiro do seu evangelho Mt quer realmente nos mostrar que Jesus é o Filho de Deus, o Emanuel, que ele explicará nos vv. 18-24. Para explicar que Jesus é o Filho de Deus, Mt usa na genealogia a palavraGERAR”: “Abraão gerou... Jacó gerou... Judá gerou... e assim por diante”.


 A palavragerar” na linguagem bíblica significa transmitir não apenas o próprio ser, mas também a própria maneira de ser e de comportar-se. O filho é a imagem do pai. Por esta razão, a genealogia se interrompe bruscamente no versículo 16 para dizer que José não é o pai natural de Jesus, mas apenas é o pai legal: “Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo”. (Nos vv 18-24 Mateus vai explicar detalhadamente esta questão). Isto quer nos dizer que a Jesus pertence toda a tradição anterior, mas ele não é imagem de José. Seu único pai será Deus; seu ser e sua ação vão refletir os do próprio Deus.


A lista de pessoas nesta genealogia contém alguns dos mais significativos nomes como também alguns nomes que têm má fama; contém tanto pecadores como santos.
 

Dos 14 reis judeus que Mateus elenca entre Davi e a deportação somente dois (Ezequias e Josias) poderiam ser considerados fiéis aos padrões de Deus. O resto não passou de um estranho bando de idólatras, assassinos, incompetentes e adoradores de poder e prodígios. O próprio Davi foi uma surpreendente combinação de santo e pecador. Houve naturalmente o assassínio premeditado do marido de Betsabé (Urias) de modo que Davi pudesse possuir legalmente a viúva.
   

Mas Deus é aquele que cumpre seus propósitos através daqueles que outros considerariam como não importantes e facilmente esquecíveis. Deus se serve tanto de instrumentos fracos como de instrumentos saudáveis, pois o agente principal da salvação é o próprio Deus.


Além dos reis fracos e pecadores, a escolha de mulheres mencionadas na genealogia é surpreendente. Nada ouvimos ou lemos a respeito das santas esposas patriarcais como Sara, Rebeca ou Raquel. Mt coloca na genealogia quatro mulheres de má fama:

·        Tamar: Uma cananéia, estrangeira que teve caso com o sogro, Judá.

·        Raab: Era uma verdadeira prostituta, mas que protegeu os espiões israelitas que tornou possível a conquista de Jericó (Josué 2).

·        Rute: Foi outra estrangeira, uma moabita que se relacionou com Booz cujo resultado foi o nascimento de uma criança que seria o avô do Rei Davi.

·        Betsabé: É uma vítima da luxúria de Davi, de quem nasceu Salomão, sucederia Davi na monarquia.


Todas estas mulheres tinham, então, uma história conjugal com elementos de escândalo e desespero humano. No entanto, eram instrumentos ativos do Espírito de Deus na continuação da sagrada linha do Messias.


Mateus quer nos relembrar e transmitir um Deus que não hesitou em usar a torpeza tanto quanto a nobreza, a impureza tanto quanto a pureza, homens a quem o mundo ouviu atentamente e mulheres que o mundo censurou. Este Deus continua a trabalhar com a mesma mistura e continua a nos surpreender. Tudo isso mostra que Deus está no comando da história. Ele é o agente principal e o homem é apenas um colaborador.


Deus pode nos usar como Seus instrumentos apesar de sermos pecadores, fracos, incapacitados e assim por diante. Mas que tenhamos uma disponibilidade de Maria para servir esse Deus que nos compreende profundamente nossos defeitos. Servir é uma adoração em ação, é uma continuação da minha adoração. Servir é prestar ajuda sem esperar recompensa e reconhecimento, pois servir significa ser servo e o servo está sempre à disposição de seu senhor. Quem serve com o Espírito de Deus jamais murmura, pois o tempo é precioso para ele. Quem não vive para servir não serve para viver tanto para si próprio como para os demais.


Nesta festa e na Eucaristia o Senhor se dirige a nós através de Sua Palavra pela qual nos convida a nos convertermos em fieis discípulos Seus, conhecendo, escutando Sua Palavra e pondo-a em prática. Ele nos mostrou que a vida da não pode limitar-se à oração. Cristo, o Senhor, entrega sua vida por toda a humanidade sem ter em conta classes sociais, etnias nem culturas. Se, nesta celebração do Mistério Pascal de Cristo, nós entramos em comunhão de vida com o Senhor, deixemos que Seu Espírito transforme nossa vida e faça de nós um sinal do amor de Deus nos diversos ambientes em que se desenvolve nossa existência. Deus nos chama a dar a vida para que todos tenham vida e a tenham em abundância a exemplo de Jesus (cf. Jo 10,10).

 
Desejamos, neste dia 08 de setembro, muitas felicidades e muitas bênçãos para todos os verbitas no mundo inteiro. Hoje a Congregação do Verbo Divino, SVD (Atualmente há 6067 membros no mundo inteiro) faz o aniversário de sua fundação (08/09/1875).
 
Sobre Maria, Mãe de Jesus, a quem tinha muito amor e devoção, Santo Arnaldo Janssen, fundador da SVD (e mais duas congregações femininas: SSpS e SSpS da Adoração Perpétua) dizia: “A relação de Maria com a Santíssima Trindade é a de filha, mãe e esposa. De todas as filhas da terra ela foi a escolhida do Pai celeste. O Filho Eterno a elegeu como mãe para que pudesse assumir a carne humana. O Espírito Santo a amou como esposa e fez dela um vaso santo e eleito das divinas graças. A humildade da Rainha dos Anjos foi uma virtude marcante. Ela que disse: "Eis aqui a escrava do Senhor”. Temos de aprender de Maria, de quem a escritura fala:”Ela guardava todas estas palavras em seu coração”(Lc 2,19)”.

Santo Arnaldo Janssen levava a sério a vontade de Deus, como Maria que se entregou totalmente à vontade de Deus através do seu Fiat, “Faça-se!”: “Que a santa vontade de Deus seja bendita para sempre! Temos que adorar esta vontade e abraçá-la com amor, se queremos agradar a Deus. Peço ao bom Deus que nos permita reconhecer sua santa vontade e nos conceda uma alegre serenidade em cumpri-la”.
 
P. Vitus Gustama,svd

”Não são as longas orações e sim as ações generosas que comovem o coração de Deus” (Santo Arnaldo Janssen).
 
 
“A confiança é a chave do incomensurável tesouro de Deus. A confiança em Deus é a virtude da qual o missionário deve haurir toda força e todo auxílio. O missionário deve ser um autêntico herói da confiança em Deus” (Idem).

“Quem vive sempre unido a Deus, o mundo lhe pertence e cada dia é um milagre. Quem reza, prende a Terra ao Céu”. (Idem)

”Sempre é necessário rezar muito. A vida sem oração é o caminho certo para o inferno. E A língua que todos entendem é a linguagem do amor” (São José Freinademetz, um dos dois primeiros missionários da SVD enviados para a China aos 02 de março de 1879).toda a humanidade que Deus quer salvar.

 

Nenhum comentário: