sábado, 25 de abril de 2015

28/04/2015
CONHECER, ESCUTAR  E SEGUIR O BOM PASTOR


Terça-Feira da IV Semana da Páscoa


Evangelho: Jo 10,22-30

22 Celebrava-se, em Jerusalém, a festa da Dedicação do Templo. Era inverno. 23 Jesus passeava pelo Templo, no pórtico de Salomão. 24 Os judeus rodeavam-no e disseram: 'Até quando nos deixarás em dúvida? Se tu és o Messias, dize-nos abertamente.' 25 Jesus respondeu: 'Já vo-lo disse, mas vós não acreditais. As obras que eu faço em nome do meu Pai dão testemunho de mim; 26 vós, porém, não acreditais, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. 28 Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. 29 Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. 30 Eu e o Pai somos um.'
--------------------

Escutar a voz do verdadeiro Pastor     


O texto diz: “As minhas ovelhas escutam a minha voz... ”(v.27). Sempre ouvimos, mas será que escutamos? Escutar é uma coisa mais séria, requer uma certa dose de interesse, de preocupação, de atenção. Há que parar-se para detectar o que ouvimos, para clarificá-lo, para assimilá-lo e para respondê-lo. Escutar é um exercício humano para certa categoria. Na vida em geral, muitas vezes acontece que ouvimos, mas não escutamos. Tantas tragédias poderiam ser evitadas se soubéssemos escutar e viver os bons conselhos e orientações. Tantas fatalidades na vida de tantos cristãos poderiam ser afastadas, se vivessem de acordo com os ensinamentos de Cristo.


A escuta é uma palavra-chave que caracteriza toda a tradição do povo hebraico. Escutar é um dos mandamentos na Bíblia: “Escutai, ó Israel” (cf. Dt 6,4; Mc 12,29). Ouvir profundamente significa escutar as palavras, os pensamentos, a tonalidade dos sentimentos, o significado pessoal até mesmo o significado que subjaz às intenções conscientes, até os gritos enterrados muito baixo da superfície do interlocutor. O povo eleito é formado pela escuta da Palavra de Deus. E a maior das tragédias na Bíblia é causada pela falta da escuta da Palavra de Deus. Quando nos abrirmos para o discurso divino, aprenderemos que nós somos escuta, dom e que nos realizamos na gratuidade.


“Minhas ovelhas escutam a minha voz”. Esta é nossa tarefa essencial e permanente. Devemos fechar nossos ouvidos a outras vozes, a outras mensagens para tê-los abertos à Palavra do Senhor, pois só Ele tem palavras de vida eterna (cf. Jo 6,68), somente Ele é a verdade (Jo 14,6), somente Ele é a Luz (Jo 8,12).


A “voz” de Jesus Cristo ressoa toda vez que alguém viver e anunciar a nova humanidade onde todos se sentem irmãos; toda vez que alguém pregar e dar testemunho da justiça, da liberdade, da verdade, do amor, da paz, da fraternidade universal; toda vez que alguém nos fizer descobrir o verdadeiro sentido da vida. Seguidor de Cristo é aquele que reconhece sua voz nos profetas de hoje.


Nós vivemos no meio do mundo de muitas vozes. Ouvimos muitos apelos e vozes e nunca faltam mensagens enganosas. Para não cair na armadilha é necessário ter o discernimento e apurar os ouvidos para escutar melhor a voz do verdadeiro Pastor que é Jesus Cristo. Somente Cristo é o pastor que não nos decepciona. É ele quem dá sentido à nossa vida. É preciso ler, escutar meditar a Palavra de Deus freqüentemente para poder identificar a voz do Pastor no meio da multidão de vozes que também querem chamar a nossa atenção.


A certeza de sermos conhecidos e amados por Deus
 

“Eu conheço as minhas ovelhas” (v.27). “Conhecer” biblicamente não se refere a um mero conhecimento intelectual. Conhecer na bíblia ultrapassa o saber intelectual e abstrato. O verbo “conhecer” no vocabulário bíblico e na língua hebraica implica o amar, o desejar o bem da pessoa, o sentir afeto por ela. Isto quer dizer que somente se pode chegar a conhecer uma pessoa no âmbito da relação intima e pessoal. O verbo “conhecer” exprime muito mais a relação de amor. Quando Jesus diz que conhece as suas ovelhas, isto quer dizer que tem para com todos nós uma relação de amor profundo. O mesmo amor que o une ao Pai, Jesus exprime também para com as suas ovelhas, todos nós: um amor fiel, eterno, indestrutível. Deus me ama com os meus ideais e minhas decepções, com os meus sacrifícios e alegrias, com os meus sucessos e fracassos.
 

“Eu conheço as minhas ovelhas”. Esta frase é uma mensagem de ternura. Ternura é amor respeitoso, delicado, concreto, atento e alegre; é amor sensível, aberto à reciprocidade, não ávido nem ganancioso nem pretensioso nem possessivo, mas forte na sua fraqueza, eficaz e vitorioso, desarmado e desarmante. Eu não sou anônimo para Deus. Ele conhece minhas vitórias e derrotas, minhas decepções e minhas alegrias, minhas preocupações e minhas felicidades. Apesar das minhas fraquezas ele me ama. O amor do Senhor me capacita para me levantar novamente e continuar minhas lutas pela vida vivida da sua dignidade.


Na nossa vida facilmente desvalorizamos a dimensão afetiva. Dedicamos muito mais atenção à dimensão do fazer, do produzir, do ter, esquecendo-nos das outras dimensões ligadas às afetivas. Isto pode acontecer dentro de família, pois cada um acaba correndo atrás de seus compromissos, de sua carreira, descuidando de cultivar os relacionamentos afetivos entre as pessoas.


Seguir Jesus, nosso bom Pastor


“E elas me seguem”, diz Jesus. A fé consiste em seguir Jesus por amor, vivendo como Ele viveu (cf.1Jo 2,6). Nosso cristianismo não pode consistir somente em cumprimento de umas normas. Não há fé cristã sem uma relação interior, pessoal e livre com Jesus. O nosso caminhar atrás das pegadas do Bom Pastor é paz, sossego, segurança, gozo inefável e glorioso. A fé é o seguimento: “Eles me seguem”. É preciso deixar Jesus na frente para que não fiquemos perdidos neste mundo, pois o nosso destino é a Casa do Pai onde se encontra Jesus. No seguimento nunca é tarde para retificar, corrigir e melhorar nossa vida cristã.


Jesus continua a ser o Bom Pastor no mundo inteiro, para todos os seres humanos. Mas todos nós, cristãos, por nosso testemunho, participamos do pastoreio universal de Jesus Cristo. Ao mesmo tempo em que somos conduzidos, ouvindo a sua voz, sendo ovelhas, devemos exercer também a missão de pastores, conduzindo os outros até as fontes da vida: Cristo.


“Não basta apenas falar de Jesus, é preciso obras, é necessária a vivência dos valores evangélicos, o amor precisa ser concretizado. Mas acima de tudo, é necessária a consciência de que somos participantes da divina missão de salvação dos homens e que quem realiza esta obra não somos nós, mas sim o próprio Deus, é ele quem pastoreia através de nós. Somos na verdade canais de graça para que os homens ouçam a voz de Jesus, sintam-se integrantes do seu rebanho e o sigam rumo à vida eterna” (Comentário do site da CNBB).

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: