quinta-feira, 21 de julho de 2016

Domingo, 24/07/2016



A BONDADE DO DEUS PAI ME FAZ PERSEVERAR NA ORAÇÃO 


XVII Domingo Comum “C”


I Leitura: Gn 18,20-32


Naqueles dias, 20 o Senhor disse a Abraão: “O clamor contra Sodoma e Gomorra cresceu, e agravou-se muito o seu pecado. 21 Vou descer para verificar se as suas obras correspondem ou não ao clamor que chegou até mim”. 22 Partindo dali, os homens dirigiram-se a Sodoma, enquanto Abraão ficou na presença do Senhor. 23 Então, aproximando-se, disse Abraão: “Vais realmente exterminar o justo com o ímpio? 24 Se houvesse cinquenta justos na cidade, acaso irias exterminá-los? Não pouparias o lugar por causa dos cinquenta justos que ali vivem? 25 Longe de ti agir assim, fazendo morrer o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio. Longe de ti! O juiz de toda a terra não faria justiça?” 26 O Senhor respondeu: “Se eu encontrasse em Sodoma cinquenta justos, pouparia por causa deles a cidade inteira”. 27 Abraão prosseguiu dizendo: “Estou sendo atrevido em falar ao meu Senhor, eu, que sou pó e cinza. 28 Se dos cinquenta justos faltassem cinco, destruirias por causa dos cinco a cidade inteira?” O Senhor respondeu: “Não destruiria, se achasse ali quarenta e cinco justos”. 29 Insistiu ainda Abraão e disse: “E se houvesse quarenta?” Ele respondeu: “Por causa dos quarenta, não o faria”. 30 Abraão tornou a insistir: “Não se irrite o meu Senhor, se ainda falo. E se houvesse apenas trinta justos?” Ele respondeu: “Também não o faria, se encontrasse trinta”. 31 Tornou Abraão a insistir: “Já que me atrevi a falar a meu Senhor, e se houver vinte justos?” Ele respondeu: “Não a iria destruir por causa dos vinte”. 32 Abraão disse: “Que o meu Senhor não se irrite, se eu falar só mais uma vez: e se houvesse apenas dez?” Ele respondeu: “Por causa dos dez, não a destruiria”.


II Leitura: Cl 2,12-14


Irmãos: 12 Com Cristo fostes sepultados no batismo; com ele também fostes ressuscitados por meio da fé no poder de Deus, que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. 13 Ora, vós estáveis mortos por causa dos vossos pecados, e vossos corpos não tinham recebido a circuncisão, até que Deus vos trouxe para a vida, junto com Cristo, e a todos nós perdoou os pecados. 14 Existia contra nós uma conta a ser paga, mas ele a cancelou, apesar das obrigações legais, e a eliminou, pregando-a na cruz.


Evangelho: Lc 11,1-13


1 Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um dos seus discípulos pediu-lhe: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos”. 2 Jesus respondeu: “Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. 3 Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos, 4 e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação’” 5 E Jesus acrescentou: “Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6 porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer’, 7 e se o outro responder lá de dentro: ‘Não me incomodes! Já tranquei a porta, e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães’; 8 eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. 9 Portanto, eu vos digo: pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. 10 Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá. 11 Será que algum de vós, que é pai, se o filho lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 12 Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13 Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”
___________________


Como se sabe, Lucas é conhecido como uma pessoa orante e a  sua comunidade é uma comunidade orante, porque ele dá uma atenção particular à oração. No seu evangelho ele faz notar nove vezes que Jesus reza; só duas ocasiões de oração são comuns com os outros evangelhos sinóticos. Lc 11,1-13 é realmente um pequeno catecismo sobre a oração. A oração envolve o evangelho inteiro desde o primeiro capítulo que abre com uma solene liturgia no templo de Jerusalém (Lc 1,5-25) até a reunião dos discípulos, depois da ascensão, novamente no templo para louvar a Deus (Lc 24,53).


A oração não é uma atividade que se justapõe extrinsecamente ao homem, mas ela jorra do ser, nasce do próprio mistério do homem, destila e flui da realidade de todos os homens. Poderíamos dizer que a oração é, de certo modo, o próprio ser do homem que se torna transparente à luz de Deus, que se reconhece por aquilo que é e, ao reconhecer-se, reconhece a grandeza de Deus, a Sua santidade, o Seu amor, o Seu desígnio de misericórdia. Ela é uma percepção da realidade que logo se desabrocha em louvor, em adoração, em agradecimento e em pedido de piedade Àquele que é a origem do ser. Por isso, quem sabe viver bem/conscientemente, sabe também rezar bem/conscientemente. E quem sabe rezar bem/conscientemente, também sabe viver bem/conscientemente. Aquele que vive profundamente seu ser ou sua vida, não tem como não rezar. O ser humano é apenas uma criatura, mas uma criatura que tem consciência de seu ser e de seu existir e do fim do seu existir na história.


A oração exige uma relação em que você permite ao Outro entrar no centro de sua pessoa, permite-lhe falar ali, permite-lhe tocar o núcleo sensitivo de seu ser e permite-lhe ver tudo o que você preferiria deixar oculto na escuridão. Ao orar você se abre para a influência do Poder que se revelou como Amor. O Poder que lhe dá liberdade e independência. Uma vez tocado por esse Poder, você não é mais arrastado para lá e para cá pelas inúmeras opiniões, ideias e sentimentos que passam por você. Você encontrou um centro para sua vida, e este centro lhe dá uma distância criativa de modo que tudo o que você vê, ouve e sente pode ser testado de acordo com a fonte.


Por isso, ao rezar, de você se pede que abra seus punhos firmemente cerrados e dê sua última moeda para Aquele que pode preencher todo o espaço de sua vida. O homem que ora é um homem com as mãos abertas perante Deus para o mundo. Ele sabe que Deus se mostrará na natureza circundante, nas pessoas que ele encontra, nas situações por onde passa. Uma pessoa torna-se uma pessoa quando é capaz de se abrir para todas as dádivas que estão preparadas para ela. Um homem que ora pode voltar a respirar livremente e tem a liberdade de mover-se para onde quiser sem que medos o persigam. O homem que vive do sopro de Deus pode reconhecer com alegria que o mesmo sopro mergulha no pulmão de seu semelhante e que ambos bebem da mesma fonte. Nessa percepção mútua, o medo do outro desaparece, as armas caem, um sorriso vem aos lábios e uma mão se estende para o outro. Aquele que percebe o sopro de Deus no outro pode deixar o outro entrar de verdade em sua vida.


Quando a vida do homem está se tornando cada vez mais uma oração, ele percebe que está sempre ocupado convertendo-se e adquirindo uma compreensão maior de seu semelhante. Também ele percebe que a oração é o pulso do mundo em que ele vive. O homem que ora inspira o mundo, olha para ele com compaixão e, nesse olhar, penetra a fonte de todo ser.


O texto do Evangelho deste domingo fala da oração do Pai-Nosso na versão de Lucas.


Desde a antigüidade são conhecidas três formas do Pai-Nosso: (1) o mais curto é a versão lucana (Lc 11,1-4) com cinco pedidos; (2) Mt 6,9-13 é o mais longo com sete pedidos, o que se pode suspeitar ser uma redação mais recente. No entanto, segundo J. Jeremias, o uso da palavra “dívida” por Mateus revela uma presença de um aramaismo, dado que no grego comum não se usava a palavra “dívida” (ofeilemata) para indicar pecado, mas “falta, pecado”(amartia) como está no texto de Lucas e Marcos; e (3) Didaqué 8,2 (Catecismo dos primeiros cristãos/Instrução dos Doze Apóstolos) que é o mais longo ainda, com sete pedidos e a doxologia.


Rezar o Pai-Nosso é seguir Jesus Cristo, aprendendo dele a maneira de viver, de escolher e também o modo de enfrentar a morte; quais são as razões profundas, as raízes da própria existência. Antes de introduzir a oração do Pai-Nosso, Lucas apresenta o modelo: Jesus que ora (v.1). Os discípulos sabem como e quando rezar, não na base de um manual de orações ou de um calendário sagrado, mas seguindo o estilo de seu Mestre, sua atitude de fidelidade e liberdade, em comunhão total com o Pai: uma comunhão e confiança que não podem ser perturbados, nem sequer pela provação suprema que é o absurdo de uma morte violenta e vergonhosa.


Neste texto, os apóstolos pedem a Jesus: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou os discípulos dele” (v.1). Devemos observar logo de início que o pedido dos apóstolos não foi feito quando eles se encontraram pela primeira vez com Jesus, mas muito mais tarde, depois de eles terem visto Jesus se retirar para lugares desertos a fim de rezar. E só entendemos o peso deste pedido se consideramos que os discípulos não tinham nenhum motivo de querer aprender “mais uma” oração. O bom judeu sabe de cor a maioria das 150 preces oficiais, os Salmos. Por isso, aqui, não se trata de querer saber uma oração “nova”. Os apóstolos estavam fascinados com Jesus porque para rezar ele se retira a lugares ermos (Mt 14,13). Jesus não grita, não tira os sapatos, não atira ao chão. Na montanha, no silêncio da noite, ele se mergulha na presença de Deus. Deus está na total intimidade de sua vida (cf. Mc 1,35s;Lc 6,12;9,18.28;Jo 11,41ss). Voltando da oração, Jesus orante tem sobre os discípulos uma irresistível atração divina. Nenhum homem sabia se aproximar de Deus com tanta reverência, e ao mesmo tempo com tão incomparável confiança. Entre Jesus e Deus havia a total intimidade.


A resposta de Jesus para o pedido é a oração do Pai-Nosso. É uma oração tão simples e fácil, que aprendemos quando pequenos, e, no entanto, oração riquíssima. Nela descobrimos a palavra “Pai”, Deus-Pai como novo horizonte de vida.


A palavra “Pai” (Abba, Papaizinho) encontra-se, nos evangelhos: 118 vezes em Jo, 5 vezes em Mc, 17 vezes em Lc e 44 vezes em Mt. E em outra parte do NT: 42 vezes em Paulo, 2 vezes em Hb, 24 vezes nas Cartas católicas e 5 vezes no Ap. Dizer “Pai” significa que não precisamos fazer um esforço de imaginação para conhecer a Deus, para imaginá-lo. Dizer “Pai” nos torna disponíveis, enche-nos de confiança, facilita a nossa entrega, pois estamos certos de sermos ouvidos, e isto nos permite superar as barreiras do medo e da incerteza. Dizer “Pai” significa que eu devo me comportar como filho diante dele e como irmão diante dos outros, pois eu sou irmão de muitos outros irmãos. Dizer “Pai” faz nascer a certeza de que somos amados, isto é, nos leva a um ato de inteiro abandono em Deus.


Pai, santificado seja o teu nome”.  “Santificar” e “nome” (v.2). Santificar, biblicamente, é sinônimo de louvar, bendizer e glorificar; é tornar-se santo. Santo tem como sinônimo justo, perfeito, bom e puro. O “nome” é propriedade; o nome é a extensão da personalidade; ele é o próprio ser. O nome é indicativo direto da pessoa, por isso, a interdição de invocar seu nome (Ex 20,7) é porque o nome indica o próprio portador. Santificar o nome de Deus é comprometer-se com a sua justiça, com a justiça ao órfão, à viúva, com o trabalhador do campo, com o operário da cidade.


Com o “venha o teu reino”, exprimimos o desejo, o anseio pela manifestação daquela realidade que se condensa na palavra “reino”, e que pode ser expressa de mil outros modos: justiça, fraternidade, triunfo da vida, derrota da morte, situação em que não mais haverá lágrimas ou luto, capacidade de nos conhecermos e de nos amarmos a fundo, plenitude do Corpo de Cristo realizado na Igreja, unidade verdadeira entre as pessoas e entre todos os povos. Por isso, o “reino do Pai” é bem diferente dos “reinos deste mundo” com suas lutas pelo poder, seus altos cargos, sua imponência, sua falta de paz e suas ameaças de guerra. A guerra supõe que tenha algo a defender. Mas nem sempre este “algo” é justo e humano.


O pão necessário, dá-nos a cada dia”. “Pão” em hebraico “lehem” (que compõe a palavra Betlehem = a casa do pão) é o conjunto dos bens que servem para sustentar a vida. Por mais altos que forem os voos do espírito, por mais profundos os mergulhos da mística, por mais metafísicos os pensamentos abstratos, o ser humano sempre depende de um pouco de pão, de um copo de água, enfim de uma pequena porção de matéria. O homem se apresenta diante de Deus como uma criatura que necessita ser sustentada na sua vida material. O pão é sagrado porque sustenta a vida que é sagrada. Por causa disso, o pão é uma preocupação constante de cada pessoa, de cada família. Nenhuma oração, nenhum ato espiritual dispensa o pão. Deus quer que ganhemos o pão com o trabalho que implica tempo, suor e lágrimas. E o pão que comemos diariamente esconde toda rede de relações anônimas que sempre devem ser recordadas. Antes de chegar à nossa mesa, passou pelo trabalho de muitos braços. Em cada pão que se come, por isso, há sentido de fraternidade e de partilha; embora haja também relações de exploração e lágrimas escondidas em cada pão que se come. Mas o pão que nós comemos, fruto da exploração/roubo do irmão, não é pão abençoado por Deus. É pão que apenas nutre, mas não alimenta a vida humana que é somente humana enquanto vive na reta ordem da justiça e da fraternidade.


Perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores”. O homem não somente vive, mas convive. Ele se relaciona. Aqui é que surgem conflitos, brigas, guerras etc. Para que a convivência possa permanecer, o perdão mútuo é indispensável. Toda convivência humana é baseada no perdão. O perdão é invocado a Deus (v.4), o único que pode quebrar o círculo do pecado que gera pecado, solidão e morte. O próprio Deus sempre está pronto para nos perdoar, pois Ele quer saber de nossa volta a Ele e não do quanto tempo de nosso afastamento. Podemos fazer contra ele as piores ingratidões, mas basta que nos voltemos para ele, para que nos perdoe. Precisamos sempre do perdão de Deus, perdão que nunca nos falta, perdão pelas nossas seguidas quedas, e pela nossa incapacidade de realizar o Reino. Mas precisamos também do perdão recíproco. Perdoar não é exigir que o outro se humilhe. Perdoar não exigir que o outro primeiro se converta, que o outro venha expiar sua culpa para depois perdoá-lo. O perdão vem primeiro. Perdoar é doar até o fim. É doar-se sem jamais colocar limites. Perdoar é mostrar que seu amor é maior do que a ofensa do outro. Se a ofensa derrubar, se desanimar seu amor, é porque seu amor é pequeno e bem frágil ainda.


Não nos deixes cair em tentação”. O último pedido expressa a consciência da precariedade na existência humana exposta ao risco de aderir ao mal na sua extrema gravidade. O homem é um ser tentável. Mas precisamos estar conscientes de que a tentação é sinal de predileção, pois somente quem anda com o Senhor é tentado. Somente quem pratica a justiça e o bem em geral é tentado. Mas mesmo assim, precisamos do apoio de Deus para não cairmos em tentação no momento do perigo, e para que o Reino não se obscureça em torno de nós. Na tradição bíblica do NT, estar livre da tentação é estar protegido contra a apostasia ou contra a negação da fé. Na verdade, é uma súplica positiva. A tentação pode ser um desejo de construir um Reino próprio e colocar-se no lugar de Deus.


Depois que ensinou os discípulos sobre a oração do Pai-Nosso, Jesus contou uma parábola referente a essa oração.


Deve-se compreender a parábola a partir da vida de uma aldeia palestinense e da lei da hospitalidade, que era sagrada para o judeu. Um homem recebe visita durante a noite e, não tendo nada para oferecer ao seu visitante, recorre ao vizinho para que este lhe empreste três pães. Ainda que o vizinho já esteja dormindo, e inicialmente, recuse o pedido por causa dos incômodos que o levantar-se, abrir a porta etc., ele acabará ouvindo o pedido do amigo.


O ensinamento teológico do evangelista é claro: Deus pode tardar, mas ele ouvirá os nossos pedidos. O segredo é a insistência. Se na primeira vez o pedido não é alcançado, pede-se uma segunda vez. Não devemos brincar de orar, mas sim, devemos mostrar persistência se não recebemos a resposta imediatamente. Não é que Deus não deseje atender e por isso precisa ser pressionado para dar uma resposta. Mas se não quisermos aquilo que estamos pedindo, suficientemente para sermos persistentes, então, não fazemos muita questão dele. Não é uma oração tépida assim que é respondida.    


A interrogação permanece: faz sentido a prece de súplica (pedir, procurar, bater), se Deus já sabe das nossas necessidades?


A prece de súplica fundamenta sua eficácia em duas razões básicas: a bondade paterna de Deus e a fé do ser humano. Fidelidade e confiança encontram-se como reciprocidade no diálogo: a do Pai e a do filho. Confiar é o olhar da fé que sabe ver Deus. Se não há fé, a confiança não surge, e corre-se o risco da volta à ausência de sentido da vida, sobretudo quando se toca com a mão o extremo do próprio limite. A confiança cresce encorajada pela descoberta da bondade de Deus. A bondade de Deus é a raiz da confiança, porque ele é fiel às suas promessas.  O homem fiel é aquele que crê no Deus que promete; o Deus fiel é aquele que concede o que prometeu ao homem” (Papa Francisco: Lumen Fidei, Carta Encíclica).


Assim, a súplica paciente não tem como meta lembrar a Deus a sua fidelidade, mas fazer crescer dentro de nós o hábito da necessidade dele, da dependência dele, relembrando que tudo está sob o sinal da graça. Crescendo dos imperativos (peçam, procurem, batam), aparentemente diz respeito a coisas concretas, mas, na verdade, concita o discípulo a converter o coração ao amor solícito do Pai. A experiência do amor paterno é a verdadeira parábola para compreender a generosidade de Deus, o seu amor que não se desmente. A oração é, certamente, a total abertura ao amor fiel de Deus para que cada um viva o amor fiel na convivência com os demais.


Mas devemos estar conscientes de que Deus não exclui a responsabilidade da pessoa que reza nas tarefas que a história estabelece. Somente assim tudo o que é rezado torna-se verdadeiro, e remete ao compromisso sério da vida. Apenas assim, a prece foge do risco da alienação porque tudo se recompõe dentro da misteriosa e realizadora vontade de Deus.


Jesus conclui seu ensinamento sobre a oração dizendo: “O Pai do céu dará o Espírito Santo” (v.13). Eis a grande resposta à prece de súplica: a dádiva do Espírito. A promessa de Deus ultrapassa toda espera, transcende a imaginação humana. O segredo da eficácia não se fundamenta somente na confiança, mas, também, na disponibilidade de acolher os grandes bens de Deus. E Lucas enfatiza que o Pai dará o Espírito. Jesus parece dizer que, antes de perguntar como se aprende a rezar (cf. Lc 11,1), é necessário pedir a presença do Orante: a presença do Espírito Santo que "intercede" em nós e para conosco(Lc 11,13;Rm 8,26). A prece cristã em Lc 11 chega ao seu ápice e qualifica-se como diálogo dos filhos no seio da comunhão da Trindade. A prece daquele que crê é a experiência da paternidade de Deus, é a participação no caminho do seu Reino na história, revelada na sua plenitude mediante a encarnação do Filho, e é a consciência nova da filiação, no Filho, por obra do Espírito.


Não estou só neste mundo, porque o Espírito Santo implora em mim e por mim, aquilo que eu não sei pedir, e o meu Salvador está junto de mim, une-me a Si e me faz participante de seus sentimentos filiais. Ele vem em auxílio da nossa fraqueza (cf. Rm 8,26-27). Ali onde existe a presença do Espírito é possível reconhecer o Pai, a sua vontade, a procura do seu Reino, o compromisso pelo pão cotidiano, o testemunho da misericórdia, a libertação do mal. Quando o Espírito está ausente da vida, o discípulo torna-se um estranho, desanima, não sabe mais o que pedir e como rezar.


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: