terça-feira, 16 de maio de 2017

17/05/2017
Imagem relacionadaResultado de imagem para eu sou a videira verdadeira e meu pai é o agricultor
PERMANECER EM CRISTO É CONDIÇÃO PARA TER UMA VIDA FRUTÍFERA


Quarta-Feira da V Semana da Páscoa


Primeira Leitura: At 15,1-6


1 Naqueles dias, chegaram alguns da Judeia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos, se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés”. 2 Isto provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém, para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. 3 Depois de terem sido acompanhados pela comunidade, Paulo e Barnabé atravessaram a Fenícia e a Samaria. Contaram sobre a conversão dos pagãos, causando grande alegria entre todos os irmãos. 4 Chegando a Jerusalém, foram recebidos pelos apóstolos e os anciãos, e narraram as maravilhas que Deus tinha realizado por meio deles. 5 Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. 6 Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto.


Evangelho: Jo 15,1-8


Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim. 5Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos.
____________________________


É Preciso Converter-se Para Ser Cristão


Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto”.


Durante três dias os Atos dos Apóstolos nos descreverão o que passou na assembleia de Jerusalém, também chamada o “Concílio de Jerusalém”. O surgimento do Concílio de Jerusalém passo por três etapas.

Na primeira etapa encontra-se um grande problema. Os judeu-cristãos ensinaram que sem a circuncisão dos pagãos convertidos para o cristianismo, como manda a Lei de Moisés, não há salvação para eles (os pagãos convertidos). Ou seja, para ser cristão, um pagão convertido teria que fazer-se judeu primeiro (circuncisão). Em outras palavras, a questão que está em jogo é esta: É preciso ser judeu (fazer circuncisão) para ser cristão ou basta ser batizado (após a manifestação da conversão) para se tornar cristão? É a mesma pergunta paralela: É preciso ser árabe para ser muçulmano? É preciso ser indiano para ser hinduísta ou budista?


Por isso, lemos a seguinte frase: “Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto”.


Esta é a frase chave para o surgimento do primeiro Concílio da Igreja na história que aconteceu em Jerusalém. Uma certa categoria de cristãos, muito apegada à tradição judaica, chamada de “judaizantes”, tinha muito empenho em permanecer fiel à Lei de Moisés que praticava antes de sua conversão a Jesus. Esses cristãos-judeus queriam impor o costume de Moisés (circuncisão) a todos os convertidos do paganismo.


A questão era de uma extrema gravidade porque manter as obrigações da Lei de Moisés, sobretudo a circuncisão, era desanimar os pagãos em vez de seguir apenas os ensinamentos de Jesus Cristo. Também era grave porque a fé em Jesus se tornaria insuficiente. A partir dessa questão é que Paulo e Barnabé foram a Jerusalém para tratar do assunto com os Apóstolos e anciãos lá.


Depois de identificar o problema vem a segunda etapa. O problema ou a controvérsia ameaçava a unidade da Igreja. Como se resolve? Não de uma maneira disciplinar e sim através de um discernimento mediante o diálogo entre aqueles que percebem a abertura como um dom do Espirito e aqueles que representam o ministério de autoridade. Por esta razão, Paulo e Barnabé decidiram ir a Jerusalém para consultar os Apóstolos e presbíteros sobre a controvérsia.


Em terceira etapa: a resolução e suas consequências. Depois de examinar os diversos aspectos, a assembleia (concílio) toma uma resolução que tem como consequências muito importantes para o desenvolvimento/crescimento da Igreja.


A Primeira Leitura de hoje fala da primeira etapa: a identificação do problema na Igreja. Não se parece este problema ao que vivemos hoje em relação à enculturação do cristianismo em contextos não ocidentais? A Igreja não passou pelo mesmo problema em que o ocidente considerava a cultura local como uma cultura inferior? Não há certas comunidades cristãs ou certos sacerdotes que obrigam os pais a colocarem o nome de um santo para o primeiro nome para poder batizar uma pessoa, pois outros nomes são estranhos ou não dignos? Como resolvemos as tensões surgidas dos grupos que atuam na Igreja?


A Relação Pessoal Com Jesus É Frutífera


O Evangelho deste dia nos situa numa ceia de despedida de Jesus de seus discípulos (Jo 13-17). Por isso, os gestos e as palavras de Jesus, neste contexto, representam as suas últimas indicações e recomendações, os seus últimos “testamento”. Os discípulos recebem essas orientações para poderem continuar no mundo a missão de Jesus. Nasce, assim, a comunidade da Nova Aliança, alicerçada no serviço (cf. Jo 13,1-17) e no amor (cf. Jo 13,33-35), que pratica as obras de Jesus, animada pelo Espírito Santo (cf. Jo 14,15-26).


1. Conectar Minha Vida Na Vida de Jesus Para Produzir Bons Frutos


Eu sou a videira e vós, os ramos”, diz Jesus. É uma comparação simples, mas profunda que nos oferece muitas sugestões para a vida cristã. O ramo não vive sem o tronco. O ramo, para viver, precisa receber a seiva do tronco permanentemente, sem a qual morrerá.


Nesta metáfora encontramos uma maravilhosa certeza de nossa vida: que estamos enraizados em Alguém que nos dá vida, estabilidade e força para lutar e ter sucesso na luta: Jesus Cristo. Jesus vem para nos dar vida em abundância (Jo 10,10).


Além disso, esta imagem serve para sublinhar a comunicação e circulação de vida divina que existe entre Jesus e aqueles que nele crêem. A vida de Deus passa a circular na vida daqueles que aceitam Jesus e vivem de acordo com seus ensinamentos. Trata-se de uma relação que nos liga, na sua dimensão mais profunda, a Jesus. Jesus vive e é para todos os crentes o único autor da vida e o princípio de sua organização. Jesus é a seiva, a raiz e o fundamento da vida do crente. Eu preciso viver conectado com Cristo para viver profundamente e abundantemente.


Eu sou a videira e vós, os ramos”. Entre Jesus e o cristão há uma comunhão de vida. Se assim é, os cristãos se alimentam e crescem com a mesma vida de Jesus Cristo, como os ramos que se alimentam da seiva que vem do tronco. Quem se alimenta dos ensinamentos de Jesus acaba sendo vida para os demais. Quem se alimenta dos ensinamentos de Cristo vive e pensa sempre no bem e na salvação de todos como a seiva passa para todos os ramos a fim de alimentá-los.


2. Estar Unido a Cristo é a Condição Para Ter Uma Vida Frutífera


Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5; cf. Gl 2,20; 5,24;6,14;Fl 1,21;3,8.12;Ef 4,24;Cl 2,6;3,1).


Se nossa vida e seus frutos dependem de Jesus Cristo, isso significa que permanecer unido a Jesus Cristo é uma condição sine qua non (incondicionalmente). Permanecer em Cristo é a condição para ter a capacidade de produzir muitos frutos para Deus e para os outros. Jesus é “a verdadeira videira”, de onde brotam os frutos da justiça, do amor, de verdade e da paz; é n’Ele e nas suas propostas que os homens podem encontrar a vida verdadeira. A vida enraizada em Cristo faz com que produzamos algo de bom e de útil para a humanidade. Jesus quer que produzamos o que tem a ver com vida para os demais. Para isso só há uma condição: estar sempre ligado a Cristo.


3.  O Cristão Pertence ao Senhor


Eu sou a videira e vós, os ramos”, diz-nos o Senhor. Tenho que estar consciente de que eu pertenço ao Senhor. Eu sou do Senhor. Eu vivo por causa do Senhor. Eu devo falar e agir em nome do Senhor. Eu devo fazer aquilo que tem a ver com a vontade do Senhor que se resume no amor fraterno. O cristão não é nem deve ser um ser isolado e não pode ficar isolado dos outros. O cristão pertence ao Senhor e está com o Senhor. O cristão não é solitário e sim solidário. Cada cristão é membro de um corpo – o Corpo místico de Cristo. A sua vocação é seguir Cristo, integrado numa família de irmãos que partilha a mesma fé, percorrendo em conjunto o caminho do amor. A vivência da fé é sempre uma experiência comunitária. É no diálogo e na partilha com os irmãos que a nossa fé nasce, cresce e amadurece, e é na comunidade, unida por laços de amor e de fraternidade, que a nossa vocação se realiza plenamente.


O que pode interromper a nossa união com Cristo e tornar-nos ramos secos e estéreis é quando conduzirmos a nossa vida por caminhos de egoísmo, de isolamento, de ódio, de injustiça, de divisão; quando nos fecharmos em esquemas de autossuficiência, de comodismo e de instalação. Ninguém cresce sem o outro.


4. É Necessária Uma Poda Permanente Para Poder Produzir Bons Frutos


“Todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda”.


Qualquer vinhateiro não tem medo de cortar alguns ramos ou folhas para que toda a seiva se concentre nuns determinados ramos para que produzam frutos abundantes e de qualidade.


Os ramos não têm vida própria e não podem produzir frutos por si próprios; necessitam da seiva do tronco. Para que não nos tornemos “ramos” secos, temos que ter coragem de cortar o que não presta em nossa vida. não tenha medo de eliminar uma dor pequena em função de retirada da dor maior. Não deixemos nenhuma coisa negativa crescer em nós, pois um dia tudo isso achamos que seja normal. Deixemos somente o bem crescer em nós para que sejamos o bem para os outros. Não podemos viver no comodismo em nome do prazer que nos esmaga e oprime. Vivamos na sinceridade, na retidão, na bondade, na verdade, no amor, na caridade e assim por diante. Somos não pelos bens que possuímos, nem pelo cargo que ocupamos nem pelo poder que temos e sim pelos valores que vivemos. Para isso, precisamos podar o que não é o bem nem faz bem para nossa vida e a vida das pessoas ao nosso redor. A poda é uma atividade positiva: elimina fatores de morte, fazendo que o cristão seja cada vez mais autêntico, mais livre, tenha capacidade maior de entrega e aumente sua eficácia. É um corte purificador, produtivo e libertador.


Algumas perguntas para a revisão de nossa vida: Que parte do meu modo de viver que está seca? Que parte da minha maneira de viver e de pensar que precisa ser podada? Como cristão, de que minha vida cristã se alimenta?


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: