quinta-feira, 22 de junho de 2017

Domingo,25/06/2017


Resultado de imagem para jesus envia os dozeResultado de imagem para nao tenhais medo dos que matam o corpo, mas nao a alma

NÃO TENHAMOS MEDO PORQUE DEUS ESTÁ CONOSCO


XII Domingo Comum “A”


I Leitura: Jr 20, 10-13


Jeremias disse: 10“Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando o medo em redor: ‘Denunciai-o, denunciemo-lo’. Todos os amigos observam minhas falhas: ‘Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo e desforrar-nos dele’. 11Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro; por isso, os que me perseguem cairão vencidos. Por não terem tido êxito, eles se cobrirão de vergonha. Eterna infâmia, que nunca se apaga! 12Ó Senhor dos exércitos, que provas o homem justo e vês os sentimentos do coração, rogo-te, me faças ver tua vingança sobre eles; pois eu te declarei a minha causa. 13Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus”.


II Leitura: Rm 05, 12-15


Irmãos: 12 O pecado entrou no mundo por um só homem. Através do pecado, entrou a morte. E a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram. 13Na realidade, antes de ser dada a Lei, já havia pecado no mundo. Mas o pecado não pode ser imputado, quando não há lei. 14No entanto, a morte reinou, desde Adão até Moisés, mesmo sobre os que não pecaram como Adão, o qual era a figura provisória daquele que devia vir. 15Mas isso não quer dizer que o dom da graça de Deus seja comparável à falta de Adão! A transgressão de um só levou a multidão humana à morte, mas foi de modo bem superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos.


Evangelho: Mt 10,26-33


Naquele tempo, disse Jesus a seus apóstolos: 26 “Não tenhais medo dos homens, pois nada há de encoberto que não seja revelado, e nada há de escondido que não seja conhecido. 27 O que vos digo na escuridão dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados! 28 Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno! 29 Não se vendem dois pardais por algumas moedas? No entanto, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do vosso Pai. 30 Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão contados. 31 Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais. 32Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. 33 Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus.
--------------------


Olhar e Entrar No Contexto Do Texto Do Evangelho De Hoje




1. Não Tenhamos Medo dos Fundamentalistas Religiosos


A unidade temática e o tom das palavras de Jesus no texto do Evangelho de hoje (o texto faz parte do discurso sobre a missão) estão marcados pela tríplice exortação a não ter medo (Mt 10,26.28.31).


A quem não deve ter medo? Não se trata dos homens em geral e sim dos homens religiosos (cf. Mt 10,25; 9,34). São os homens do fundamentalismo religioso que os Doze não devem ter medo. É a oposição religiosa que Mateus foi fazendo aparecer ao longo dos capítulos oito e nove como contra-personagem de Jesus.


Quem não deve ter medo? Os apóstolos não devem ter medo. Em Mateus o termo “Apóstolos” designa a totalidade dos discípulos de Jesus e que Mateus reduz significativamente a Doze: frente ao velho Israel das doze tribos, o Novo Israel dos Doze. O “Doze” representa a totalidade dos discípulos de Jesus.


Por que não deve ter medo? Há três razões para o novo Povo de Deus não deve ter medo dos fundamentalistas religiosos. Primeira, a concepção religiosa de Jesus seguirá adiante apesar da oposição também religiosa dos fundamentalistas (Mt 10,26-27). Segunda, estes fundamentalistas religiosos recorrerão, inclusive, a métodos mortais (Mt 10,28ª). Mas a integridade física não dá a medida da pessoa. A integridade pessoal não se esgota com a integridade física. A integridade pessoal não pode ser eliminada nem sequer pela arma mortífera do fundamentalista religioso. Não é a este a quem tem que ter medo e sim a Deus, porque é Deus quem dá a verdadeira medida da pessoa (Mt 10,28b). Deus é Pai. A perda da integridade física não deve assustar os discípulos em nome da verdade e do amor. Esta perda tem um sentido e Deus não está ausente (Mt 10,29-31). Terceira razão para não ter medo é que o próprio Jesus é a garantia para o novo Povo: “Todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus” (Mt 10,32-33).


2. Não Tenhamos Medo Dos Que Se Acham “Poderosos”, Pois Somente Deus é Poderoso


Precisamos saber que Mateus escreveu seu evangelho durante a década de 80 durante a qual reinava o imperador Domiciano (anos 81 a 96) que não tolerava o cristianismo. Consequentemente crescia a hostilidade, que rapidamente se converteria em perseguição organizada contra o cristianismo (no ano 95, por iniciativa de Domiciano, começa uma terrível perseguição contra os cristãos em todos os territórios do império romano).


A comunidade cristã a quem Mateus destinou o seu Evangelho era uma comunidade com grande zelo missionário, pronta em levar a Boa Nova de Jesus a todos os homens. Mas ao mesmo tempo teve que conviver com as dificuldades e as perseguições. Os cristãos de sua comunidade estavam perturbados e confusos diante desta situação e a tentação de desistir de tudo. Por esta razão, Mateus elaborou uma espécie de “manual do missionário cristão”, para mostrar que a atividade missionária fazia parte inseparável da vida cristã. Em outras palavras, ser cristão é ser missionário.


Pregar e viver de acordo com os valores que Jesus nos deixou como seus ensinamentos atrai a perseguição daqueles que são contra a estes valores. A perseguição atinge os cristãos por causa de seu amor por Deus e da fidelidade à Sua Palavra: “... todos os que quiserem viver com piedade em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm 3,12) e pela humanidade. O desígnio do Pai é um desígnio de amor universal, que não discrimina ninguém, pois o mandamento novo é amar a todos os homens (Jo 13,34s), inclusive os inimigos (Mt 5,44). O próprio Jesus, obedecendo, até a morte da cruz, manifesta que o amor é mais forte do que o ódio e que uma morte tão sobrecarregada com o pecado dos homens também pode mudar definitivamente de sentido.


O texto de hoje, portanto, tem o objetivo de suscitar o ânimo nos discípulos diante das situações aparentemente maiores do que sua força. Mas apenas aparentemente, pois há uma força superior a todas as forças e todos os obstáculos: o próprio Deus que vai ter a última palavra sobre todos os homens (cf. Mt 25,31-45).


Quem são os novos fundamentalistas religiosos e os que se acham “deuses” de hoje? Quais são métodos que eles usam para obrigar os outros a ter crença que eles têm? Dentro da Igreja existem também os fundamentalistas religiosos? Que comportamento e método os seguidores do Senhor devem adotar para os fundamentalistas religiosos? Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” é o estilo de vida que Jesus Cristo deixou para todos os que querem ser seus seguidores (Jo 13,34-35; 15,12). O amor é o nome próprio de Deus (cf. 1Jo 4,8.16) e “seremos julgados sobre o amor no entardecer de nossa vida” (São João da Cruz).


Mensagem Da Palavra De Deus Deste Domingo Para Nossa Vida Cotidiana


1. Levar Em Conta Os Nossos Medos De Cada Dia


Não tenhais medo!”. É a palavra do Senhor neste domingo.


No nosso mundo cada vez mais tecnológico e prometedor há algo inevitável e crescente em nós: o medo.


Temos medo de ir a uma rua deserta, de entrar num portão com um desconhecido atrás de nós, de subir num elevador com um estranho, de entrar na nossa porta com alguém de longe observando nossa entrada. Temos medo do porvir diante da crise econômica, política e social. Os pais têm medo de que seus filhos possam se drogar ou são levados para o mundo de crime. Temos medo do desastre nuclear, da arma biológica que estão na sombra da humanidade atual. Temos também medo de viver em muitas ocasiões, pois viver significa comprometer-se, decidir-se, definir-se. E quase sempre preferimos nos manter numa discreta penumbra sem arriscar uma segurança que temos medo de perder. Temos medo daquilo que os outros pensam de nós, de perder prestígio. Por isso, em muitas ocasiões não somos capazes de adotar uma decisão valente diante de uma determinada situação. Temos medo de perder emprego, de perder um ente querido. Temos medo de ser abandonados pelos demais homens. Temos medo de morrer, e assim por diante.


Todos nós experimentamos o medo e isso é normal. Mas o que temos que evitar é que nosso medo não se torne tóxico capaz de durar toda a vida.


O medo é sempre acompanhado pela imaginação. O medo alimenta a imaginação. Ao imaginarmos o pior, o medo começa a nos dominar. O medo que começa a nos dominar é capaz de paralisar nossa vida.


Ninguém gosta de sentir medo. Mas é preciso que nosso medo não cresça mais do que nós. Para isso, precisamos eliminar os medos sem fundamentos. Quanto mais pensarmos em uma coisa, mais isso fará parte de nossa realidade. Não pensemos no medo para que o medo não pense em nós. Por isso, em vez de dizer: “Preciso deixar de pensar nessa ideia”, temos que substituir este pensamento por outro mais positivo.


Por incrível que pareça, geralmente, o medo significa que estamos avançando. O medo é companheiro dos conquistadores e renovadores, dos inventores e das pessoas sucedidas. O medo mostra que os conquistadores estão fazendo algo novo, que estão saindo da zona de conforto para uma vida totalmente renovada e avançada. Mais tarde, os medrosos vão usufruir o produto/resultados dos renovadores da humanidade. Os gênios normalmente são condenados precipitadamente, mas mais tarde serão reconhecidos.   Cada desafio nos permite e nos chama a darmos um passo maior do que antes. Avançar não significa não sentir medo e sim ir para o novo e o melhor apesar dos temores que possamos sentir.


Não devemos ter medo do medo que é a fobia. Para vencer o medo temos que aprender a reconhecê-lo, a colocá-lo em palavras e a falar sobre aquilo que desperta medo em nós. Devemos olhar nossos medos de frente e não cobri-los, pois mesmo que fujamos, os medos continuarão nos acompanhar. É melhor verificarmos até que ponto temos realmente medo. Cuidado com nossos medos, pois eles roubam nossos sonhos e realizações! Onde o medo se torna dominador, a sabedoria não funciona. Façamos que nossos medos tenham medo de nós mesmos adotando novos modos de viver, saindo com coragem de nosso cantinho que nos paralisa para viver uma vida nova e renovada. Não tenhamos medo da mudança. Ela assusta, mas pode ser chave daquela porta pela qual você quer entrar. Tenhamos certeza de que somos maiores e mais fortes do que nossos medos, pois o Senhor está conosco (cf. Mt 28,20)


2. Levar Em Conta o Verdadeiro Medo Que o Senhor Nos Fala No Evangelho De Hoje


O Senhor Jesus quer que os cristãos estejam livres do medo principal. Ele fala do medo mais íntimo, mais profundo: o medo de perder a vida eterna (perda da salvação): “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!” É um medo compreensível para o qual o Senhor promete Sua assistência que é palpável ao longo da história da Igreja: “Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão contados. Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais” (Mt 10,30-31; cf. Mt 28,20).


Por um lado Jesus nos exorta: “Temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!”. Por outro lado ele nos recorda: “Todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus”.


A vida ou a morte, a salvação ou a perdição definitiva de cada cristão depende da postura que ele toma diante de Jesus Cristo durante sua vida aqui neste mundo. O reconhecimento ou confissão pública que cada cristão faz de Cristo corresponde a um reconhecimento que Cristo faz do cristão diante do Pai do céu: o destino final de cada cristão depende da palavra de reconhecimento ou de negação que Cristo pronuncia sobre ele diante do Pai celeste.


Quando tivermos uma plena consciência disso, não teremos dificuldade em viver aquilo que Jesus Cristo disse hoje: “O que vos digo na escuridão dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados!”.


Encontramos aqui dois níveis do anúncio que se expressam em dois termos: “ao pé do ouvido” e “do alto dos telhados”. Jesus quer que façamos os dois simultaneamente para que o anúncio seja completo.


O anúncio “ao pé do ouvido” é aquele anúncio que fazemos para quem está próximo de nós, para aqueles que convivem conosco, para os mais íntimos, que nem sempre é fácil, pois todos conhecem nossas fraquezas e bloqueios, além de nossas capacidades.


Mas não basta que cada cristão procure ser fiel a Jesus no íntimo de seu coração e no testemunho constante junto a quem nos conhece pessoalmente. O anúncio “ao pé do ouvido” deve se tornar um anúncio “do alto dos telhados”, deve se tornar público. O mundo precisa reconhecer nos cristãos uma força transformadora a favor da justiça, da paz e da fraternidade. Sem isso, os cristãos perderão a credibilidade diante do mundo ou sociedade (cf. Mt 5,13-16).


3. Levar Em Conta a Providência Divina


Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão contados. Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais” (Mt 10,30-31; cf. Mt 28,20).


Na criação por amor, a vida é chamada a ser tão duradoura como o amor que a gerou, pois o amor não abandona aquele que ele gerou; seria como abandonar-se a si mesmo. Tudo isto simplesmente chama-se a PROVIDENCIA DIVINA.


Salvar é criar e recriar continuamente. Somos fruto do amor de Deus. O Criador poderia contentar-se com dar existência às coisas, abandonando-as a sua sorte. Mas Deus que gera vida por amor continuará amando o que ele gerou, pois ali persiste de alguma maneira sua própria vida.


Deus tem carinho e cuidado para as coisas mínimas como cabelos e pardais. Quanto mais para os homens criados à imagem e semelhança de Deus. O evangelista Mateus quer nos transmitir a certeza de que Deus está conosco até o fim dos tempos (Mt 28,20).


Pela certeza da companhia permanente de Deus e pela sua providência para o nosso cotidiano, a fé pede valentia e se vive num conjunto de disposições (constância, perseverança, ânimo, etc.) que formam juntas a fortaleza. A profissão da fé há de ser vista como um caminho que se cria caminhando. O caminho não é fácil. A reação espontânea é a negação do esforço e o refúgio na facilidade. A exortação se situa, então, no progresso da fé. É evidente a existência de obstáculos, mas o êxito é dos corajosos ou audaciosos, os renovadores ou inovadores. Cabe aqui um catálogo de atitudes: saber valorizar a fé como dom, estabelecer uns meios adequados para vive-la, ter um plano de vida e observá-la, ter sentido de esperança, incluir na normalidade a possível incompreensão e assim por diante. A vida do próprio Senhor Jesus, de Maria, a mãe do Senhor e de todos os santos não foi fácil. Todos eles são nosso modelos na luta de cada dia.


Comentário de Santo Agostinho sobre o Evangelho de hoje: “As palavras divinas que lemos nos encoraja a não temer temendo e a temer não temendo. Quando o evangelho foi lido vós sois advertidos que Deus nosso Senhor, antes de morrer por nós, quis que nos mantivéssemos firmes; porém, animando-nos a não temer e exortando-nos a temer. Disse, pois, ‘Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma!’ (Mt 10,28). Ai, nos animou a não temer. Vede agora onde nos exorta a temer: ‘Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!’. Portanto, temamos para não temer. Parece que o medo vai associado à covardia; parece que o medo é próprio dos débeis, não dos fortes. Porém, vede o que diz a Escritura: ‘O temor do Senhor é a esperança de fortaleza’ (Pr 14,26). Temamos para não temer, isto é, temamos prudentemente, para não temer infrutuosamente. Os santos mártires... temendo não temeram: temendo a Deus, desdenharam aos homens”.


P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: