quinta-feira, 31 de maio de 2018

Domingo, 03/06/2018
Resultado de imagem para Mc 2,23-28Resultado de imagem para Mc 3,1-6
O SER HUMANO É SAGRADO, POR ISSO ESTÁ ACIMA DE QUALQUER LEI
IX DOMINGO DO TEMPO COMUM B


Primeira Leitura: Dt 5,12-15
Assim fala o Senhor: 12 “Guarda o dia de sábado, para o santificares, como o Senhor teu Deus te mandou. 13 Trabalharás seis dias e neles farás todas as tuas obras. 14 O sétimo dia é o do sábado, o dia do descanso dedicado ao Senhor teu Deus. Não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu boi, nem teu jumento, nem algum de teus animais, nem o estrangeiro que vive em tuas cidades, para que assim teu escravo e tua escrava repousem da mesma forma que tu. 15 Lembra-te de que foste escravo no Egito e que de lá o Senhor teu Deus te fez sair com mão forte e braço estendido. É por isso que o Senhor teu Deus te mandou guardar o sábado”.


Segunda Leitura: 2Cor 4,6-11
Irmãos: 6 Deus, que disse: “Do meio das trevas brilhe a luz”, é o mesmo que fez brilhar a sua luz em nossos corações, para tornar claro o conhecimento da sua glória na face de Cristo. 7 Ora, trazemos esse tesouro em vasos de barro, para que todos reconheçam que este poder extraordinário vem de Deus e não de nós. 8 Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos pela angústia; postos entre os maiores apuros, mas sem perder a esperança; 9 perseguidos, mas não desamparados; derrubados, mas não aniquilados; 10 por toda parte e sempre levamos em nós mesmos os sofrimentos mortais de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada em nossos corpos. 11 De fato, nós, os vivos, somos continuamente entregues à morte, por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada em nossa natureza mortal.


Evangelho: Mc 2,23-3,6
23 Jesus estava passando por uns campos de trigo, em dia de sábado. Seus discípulos começaram a arrancar espigas, enquanto caminhavam. 24 Então os fariseus disseram a Jesus: “Olha! Por que eles fazem em dia de sábado o que não é permitido?” 25 Jesus lhes disse: “Por acaso, nunca lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando passaram necessidade e tiveram fome? 26 Como ele entrou na casa de Deus, no tempo em que Abiatar era sumo sacerdote, comeu os pães oferecidos a Deus, e os deu também aos seus companheiros? No entanto, só aos sacerdotes é permitido comer esses pães”. 27 E acrescentou: “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado. 28 Portanto, o Filho do Homem é Senhor também do sábado”. 3,1 Jesus entrou de novo na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca. 2 Alguns o observavam para ver se haveria de curar em dia de sábado, para poderem acusá-lo. 3 Jesus disse ao homem da mão seca: “Levanta-te e fica aqui no meio!” 4 E perguntou-lhes: “É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?” Mas eles nada disseram. 5 Jesus, então, olhou ao seu redor, cheio de ira e tristeza, porque eram duros de coração; e disse ao homem: “Estende a mão”. Ele a estendeu e a mão ficou curada. 6 Ao saírem, os fariseus, com os partidários de Herodes, imediatamente tramaram, contra Jesus, a maneira como haveriam de matá-lo.
---------------------
O texto do evangelho deste domingo faz parte das controvérsias de Jesus com os fariseus. Hoje a discussão está em torno do Sábado.


O sábado era um dos preceitos divinos mais claros, mais indiscutível; como uma espécie de documento de identidade do crente. Sua observância estava rigidamente regulada. Por suposto, admitiam-se exceções por motivos de particular gravidade, e sobre estas exceções disputam as diversas escolas teológicas. Assim, em dia de sábado se permitia, por exemplo, salvar a vida com a fuga, ajudar um homem em perigo ou uma mulher com dores de parto, ou em caso de incêndio e assim por diante. Mas trata-se sempre de exceções a uma regra.


Sábado e Tirar Espigas


E tirar espigas era uma das trinta e nove formas de violar o sábado, segundo as interpretações exageradas que algumas escolas dos fariseus faziam da lei na época. Por isso, se escandalizam quando percebem que os discípulos de Jesus arrancam as espigas para matar a fome no dia de sábado. “Quem não sabe julgar o que merece crédito e o que merece ser esquecido presta atenção ao que não tem importância e se esquece do essencial” (Buda).


Diante dessa crítica Jesus aplica um princípio fundamental para todas as leis: “O Sábado foi feito para o homem e não o homem para o Sábado”. O homem está sempre no centro da doutrina de Jesus. Jesus olha para a necessidade real do homem e Ele mesmo se oferece como solução. Em nome do ser humano nas suas necessidades básicas, principalmente quando se trata de salvar ou proteger a vida, Jesus é capaz de “transgredir” a Lei por sagrada que ela pareça ser. Por causa de mim, ser humano, Deus aceitou se encarnar em Jesus para me dizer que não estou sozinho na minha luta pela vida digna. Deus quer vida em abundância para todos (Jo 10,10). Para Jesus, o ser humano é mais sagrado do que qualquer lei. Sua preocupação é fazer o bem para o homem, mesmo no dia de Sábado. A lei do Sábado foi dada precisamente a favor da liberdade, do bem e da alegria do homem (Dt 5,12-15).


Por isso, o espírito da lei deve estar sempre ao serviço de Deus para glorificá-Lo, e ao serviço do ser humano para dignificá-lo. A glória de Deus é a vida e a felicidade de seus filhos, os seres humanos. Para Jesus, as leis ainda que sejam sagradas, não podem estar por cima da vida, das necessidades vitais, da felicidade, da plena realização dos seres humanos. Por isso Jesus tem coragem de afirmar: “O Sábado foi feito para o homem e não o homem para o Sábado”.


Nós que cremos em Cristo devemos saber dar culto a Deus manifestando-Lhe, assim, nosso amor, mas não podemos deixar de amar nosso próximo ajudando-lhe a remediar suas necessidades. Se não, o nosso culto e nosso amor a Deus seriam inúteis e hipócritas.


A fidelidade às tradições religiosas deve favorecer ao direito à vida. As tradições religiosas, que não apóiam o direito à vida, perdem sua razão de existir. Para Jesus a finalidade de qualquer lei religiosa deve ajudar o ser humano a ter uma verdadeira experiência de encontro com a vontade de Deus resumida no mandamento do amor fraterno. Praticar as leis religiosas sem levar em conta o respeito pela vida seria inútil. Jesus é o Senhor do Sábado. Se o Sábado devia significarlibertação”, Jesus é o Senhor da libertação. Se o Sábado devia significarsantificação”, Jesus é o Senhor da santidade e da santificação. Uma libertação sem Jesus será opressão reeditada de outro modo. Uma santificação sem Jesus será egoísmo, orgulho ou vaidade, editados de outros modos.


Não podemos viver sem leis, normas ou regras que nos ajudem a dirigir ou governar nossa vida. A liberdade sempre supõe a existência de regras. Da nossa própria casa (família) até as ultimas instituições necessitam de leis, normas ou regras. Mas aqueles que são encarregados da aplicação dessas devem ter sempre em conta o “espíritoque as inspirou e que em ultima instancia é o bem dos indivíduos e da comunidade.


A lei é boa e necessária. A lei é, na verdade, o caminho para levar à prática do mandamento do amor. Somente a lei do amor rompe fronteiras, divisões, prejuízos e escravidões. Por isso mesmo, a lei não pode ser absolutizada. O Sábado, para nós o domingo, está pensado para o bem do homem. É um dia em que nos encontramos com Deus, com a comunidade, com a natureza e com nós mesmos. O descanso é um gesto profético que nos faz bem a todos para fugir ou escapar da escravidão do trabalho ou da carreira consumista. O dia do Senhor é também dia do homem, com a Eucaristia como momento privilegiado. Cristo é o Senhor do sábado, como também é nosso Senhor. Nós somos seus servos. Mas é uma escravidão que nos enobrece. Ser servo do Senhor é ser salvo.


Sábado e a Cura Do Homem De Mão Seca


Outra controvérsia apresentada no evangelho de hoje é a cura de um homem no sábado. Portanto, o tema da controvérsia ainda está em torno da observância do preceito de Sábado.


“É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?”. É a pergunta de Jesus para as autoridades religiosas.


Para Jesus, a lei, sim, mas o legalismo, não. A lei é uma necessidade. Porém, atrás de cada lei deve respirar amor e respeito ao homem concreto. Atrás da letra está o espírito e o espírito deve prevalecer sobre a letra. Para Jesus o bem do homem está acima da observância do Sábado, e isso, não somente em caso de perigo de morte, mas em qualquer situação. “Portanto, é licito fazer o bem também no Sábado” (Mt 12,12b). Jesus proclama, assim, o valor absoluto do amor. Jesus recorda a todos que para Deus o mais importante é o homem, o bem do homem e não a regra por regra ou lei por lei. Não somente salvar a vida do homem e sim simplesmente fazer o bem a ele. A lei suprema da Igreja de Cristo são as pessoas, a salvação das pessoas. Se não a Igreja perderia sua razão de existir. A glória de Deus está sempre e unicamente no bem do homem. Não se trata de exaltar o homem constituindo-lhe centro das coisas. Mas trata-se de conhecer mais fundo o coração de Deus que ama o homem a ponto de enviar-lhe seu Filho unigênito a fim de que o homem seja salvo (Jo 3,16). O poder de Deus se manifesta no amor e nisto está sua honra. Para Jesus a observância do Sábado deve celebrar esse amor fraterno e não desmenti-lo nem negá-lo. Assim, mais uma vez, Jesus quer manifestar sua maneira de viver de que a lei do sábado está a serviço do homem e não o contrário.


Em sua luta contra a mentalidade legalista dos fariseus, ontem Jesus nos dizia queo Sábado foi feito para o homem e não o homem para o Sábado”. Hoje ele aplica o principio para um caso concreto: sobre o homem com mão seca que se encontra no Templo.


Na antropologia bíblica, a mão está carregada de simbolismo. A mão está ligada à idéia de força e de poder. Estar na mão do outro significa estar sob o seu poder. A mão direita era sinal de força, de sabedoria e de fidelidade. Como rezamos no Credo: Jesus “ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus; está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso...”. Isto quer dizer que Jesus mostrou sua fidelidade à vontade de Deus Pai, praticando o bem até o fim. a mão esquerda era sinal de fraqueza, de ignorância e de desgraça.


O homem do texto do evangelho de hoje está com a mão seca. É um homem sem iniciativa e incapaz de lutar por seus direitos, e por isso, é uma vitima de desumanização. Jesus é Deus que salva. Por isso, ele toma iniciativa para curar o homem a fim de humanizá-lo novamente. Com a mão curada, o homem volta a ter aptidão para fazer o bem. Ao colocar o homem no meio das pessoas, Jesus quer recordar a todos que qualquer pessoa deve ser respeitada, protegida, defendida, levada em consideração acima de qualquer lei por sagrada que ela pareça ser.


Jesus quer nos relembrar que nenhuma religião ou nenhuma prática religiosa pode impedir o encontro fraterno e a vivência do amor e do respeito mútuos nem pode impedir serviço solidário. Ao contrário, os que praticam religião devem ter cada vez a sensibilidade humana, devem ser mais humanos e irmãos para com os demais. A passagem para chegar ate Deus passa necessariamente pelo irmão. O próximo é a passagem obrigatória para chegar ao céu. Qualquer um pode não encontrar Deus, mas não tem como não se cruzar com o próximo. O próximo é ocasião de salvação para mim como também sou ocasião de salvação para o outro.


A partir do ensinamento de Jesus no evangelho deste dia precisamos nos perguntar: “Não somos, às vezes, demasiados legalistas? Não julgamos nossos irmãos quando cremos que não cumprem as leis ou as regras, sejam as leis humanas, as leis da Igreja ou as leis consideradas como divinas? Se para Jesus o homem está sempre no centro de seu ensinamento, será que colocamos o ser humano como centro de nossas atividades diárias e pastorais?”. A denúncia da escravidão ao sábado nos convida a nos libertarmos da religião da observância formal e segui-la pelos caminhos do amor libertador. Quando as coisas materiais ou rituais mandam, e não a lei do amor, o homem se faz escravo.


Resumindo....


A postura de Jesus diante do descanso do sábado é uma questão de liberdade diante do legalismo judaico. Mas é muito mais do que isso! A postura de Jesus traça o que significa honrar ao Senhor e dedicar-se a Ele. Porque, na realidade, não era questão de vida ou de morte, curar o homem daquela paralisia, pois podia esperar perfeitamente o dia seguinte para curar aquele homem. Mas o Senhor cura o homem e assim mostra que dedicar o Sábado a Deus não somente a privação de atividades para mostrar submetimento e sim que é fazer o que agrada a Deus. Os que sofrem e deixam de sofrer porque seus irmãos os ajudam, mesmo no dia de preceito (Sábado), muito agradam a Deus.


Segundo Jesus, servir a Deus (tanto no Sábado como em toda a vida) é dedicar tempo a Ele, criando felicidade humana, tanto para os demais como para si próprio.


Além disso, são Paulo nos relembra na Segunda Leitura que somos de barro. Nossa força não é nossa; é de Deus. Levamos um tesouro dentro de nós que somos fracos, de barro. É mister cuidá-lo com carinho cuidadoso. Alegremos-nos da força manifestada de Cristo em nós para o bem dos demais. Quando conseguimos fazer algo importante para o bem de nosso próximo, devemos agradecer a Deus por esta oportunidade. Tudo de bom devemos atribuir ao Senhor. Tudo de mau devemos atribuir a nós mesmos como barros. A glória de Deus está sempre e unicamente no bem do homem e no bem que praticamos pelo bem do homem. Somos de barro, mas a Eucaristia nos dá uma grande assistência.


Por fim, de sete dias que se compõem o ciclo que regula a vida humana semanalmente, o homem dedica seis deles ao trabalho para sua subsistência.  Um dos sete dias, o último o home há que dedica-lo a Deus, Senhor de tudo que o homem possui (menos o pecado). Tudo que somos e temos é de Deus. Jamais podemos colocar o ouro e a prata acima de Quem os criou que é Deus. O Domingo é o dia para agradecer a Deus por tudo que somos e temos.


Sobre a importância do Domingo, o Papa João Paulo II escreveu: “O dia do Senhor— como foi definido o domingo, desde os tempos apostólicos—, mereceu sempre, na história da Igreja, uma consideração privilegiada devido à sua estreita conexão com o próprio núcleo do mistério cristão. O domingo, de fato, recorda, no ritmo semanal do tempo, o dia da ressurreição de Cristo. É a Páscoa da semana, na qual se celebra a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, o cumprimento n'Ele da primeira criação e o início da «nova criação» (cf. 2 Cor 5,17). É o dia da evocação adorante e grata do primeiro dia do mundo e, ao mesmo tempo, da prefiguração, vivida na esperança, do « último dia », quando Cristo vier na glória (cf. Act 1,11; 1 Tes 4,13-17) e renovar todas as coisas (cf. Ap 21,5)” (Carta Apostolica Dies Domini n.1).


O mesmo Papa acrescentou: “Não tenhais medo de dar o vosso tempo a Cristo! Sim, abramos o nosso tempo a Cristo, para que Ele possa iluminá-lo e dirigi-lo. É Ele quem conhece o segredo do tempo e o segredo da eternidade, e nos entrega o « seu dia », como um dom sempre novo do seu amor. Há-de-se implorar a graça da descoberta sempre mais profunda deste dia, não só para viver em plenitude as exigências próprias da fé, mas também para dar resposta concreta aos anseios íntimos e verdadeiros existentes em todo ser humano. O tempo dado a Cristo, nunca é tempo perdido, mas tempo conquistado para a profunda humanização das nossas relações e da nossa vida” (Dies Domini n.7). Que assim seja!
P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: