domingo, 12 de julho de 2020

17/07/2020
Waldryano: ORAÇÃO DE CURA DO REI EZEQUIASII Reis 20:1-21 - EZEQUIAS ADOECE MORTALMENTE, MAS ORA E É CURADO ...PARÓQUIA DIVINO ESPÍRITO SANTO: Evangelho de hoje, sexta-fera, 20 ...Mateus 12:8 NVI Nova Versão Internacional - Bíblia Online
A DIGNIDADE DO SER HUMANO E SUA SALVAÇÃO SÃO MAIORES DO QUE QUALQUER LEI HUMANA
Sexta-Feira da XV Semana Comum

Primeira Leitura: Is 38,1-6.21-22.7-8
1 Naqueles dias, Ezequias foi acometido de uma doença mortal. Foi visitá-lo o profeta Isaías, filho de Amós, e disse-lhe: “Isto diz o Senhor: Arruma as coisas de tua casa, pois vais morrer e não viverás”. 2 Então Ezequias virou o rosto contra a parede e orou ao Senhor, dizendo: 3 “Peço-te, Senhor, te lembres de que tenho caminhado em tua presença, com fidelidade e probidade de coração, e tenho praticado o bem aos teus olhos”. Ezequias prorrompeu num grande choro. 4 A palavra do Senhor foi dirigida a Isaías: 5 “Vai dizer a Ezequias: Isto diz o Senhor, Deus de Davi, teu pai: ‘Ouvi a tua oração, vi as tuas lágrimas; eis que vou acrescentar à tua vida mais quinze anos, 6 vou libertar-te das mãos do rei da Assíria, junto com esta cidade, que ponho sob minha proteção’. 21 Então, Isaías ordenou que fizessem uma cataplasma de massa de figos e a aplicassem sobre a ferida, que ele ficaria bom. 22 Perguntou Ezequias: “E qual é o sinal de que hei de subir à casa do Senhor?” 7 “Este é o sinal que terás do Senhor, de que ele cumprirá a promessa que fez: 8 Eis que farei recuar dez graus a sombra dos graus que já desceu no relógio solar de Acaz”. De fato, a marca do sol recuara dez graus dos que ela tinha descido.


Evangelho: Mt 12,1-8
1 Naquele tempo, Jesus passou no meio de uma plantação num dia de sábado. Seus discípulos tinham fome e começaram a apanhar espigas para comer. 2 Vendo isso, os fariseus disseram-lhe: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!” 3 Jesus respondeu-lhes: “Nunca lestes o que fez Davi, quando ele e seus companheiros sentiram fome? 4 Como entrou na casa de Deus e todos comeram os pães da oferenda que nem a ele nem aos seus companheiros era permitido comer, mas unicamente aos sacerdotes? 5 Ou nunca lestes na Lei, que em dia de sábado, no Templo, os sacerdotes violam o sábado sem contrair culpa alguma? 6 Ora, eu vos digo: aqui está quem é maior do que o Templo. 7 Se tivésseis compreendido o que significa: ‘Quero a misericórdia e não o sacrifício’, não teríeis condenado os inocentes. 8 De fato, o Filho do Homem é senhor do sábado”.
________________________
 
Deus Ouve a Oração De Quem Confia N´Ele


O texto da Primeira Leitura fala da enfermidade e da cura do rei Ezequias (Cf. 2Rs 20,1-11).


A Primeira Leitura nos relatou que o rei Ezequias (716-687 a.C: cf. 2Rs18,1-8), um soberano justo e amigo do profeta Isaías ficou afetado por uma grave enfermidade (não se fala do nome da doença), que o profeta Isaías declarou como mortal.  Ezéquias dirigidindo-se a Deus com uma oração a Deus: “Peço-te, Senhor, te lembres de que tenho caminhado em tua presença, com fidelidade e probidade de coração, e tenho praticado o bem aos teus olhos”. Como rei, Ezequias é muito melhor do que seu pai, o rei Acaz.


A oração do rei Ezequias reflete a ideia da retribuição vigorante na época. Segundo esta concepção para a retidão de conduta, Deus dá como presente bênção divina, prosperidade e vida longa. Na sua avaliação, o rei Ezequias não praticou nada de errado na sua vida. Por isso, ele pede um tipo de recompensa. A retidão de sua vida parece exigir de Deus a bênção, inclusive bens materiais e uma vida longa.


Na sua oração o rei Ezequias chorou com abundantes lágrimas. Notícia da morte sempre nos afeta e mexe com nossos sentimentos e emoções. Todos lutam para que a doença fique longe, mesmo sabendo que morrer é o acontecimento universal a que todos nós temos de chegar. Começamos a morrer assim que nascemos.


E Deus ouviu a oração do rei Ezequiase através do profeta Isaías o rei Ezequias recebe a cura imediata de Deus, a ampliação de quinze anos de sua vida e a libertação de Jerusalém do poder assírio (cf. 2Rs 20,5-6). Deus atrasa o relógio da morte do rei Ezequias por sua retidão.


Ler essas coisas da Bíblia, Livro inspirado por Deus, como lemos hoje na Primeira Leitura, nos faz bem. Saber que Deus não se estranha de nossas faltas de esperança nem de nossa oração, tudo isso nos faz bem. A oração do rei Ezequias nos faz bem. Ele nos ensina que nossa situação pode parecer algo morto ou mortal, mas Deus põe vida onde há sinal de morte para aqueles que confiam n´Ele. A nossa força também se encontra na oração de muita fé em Deus apesar de nossa situação aparentemente sem saída, como aconteceu com o rei Ezequias. Procuramos manter nossas orações para poder manter nossas forças. Rezar é permanecer na presença de Deus com as mãos abertas e com o coração aberto para não sermos agarrados pelas mãos do mundo que nos escravizam.


O Salmo Responsorial (Sl 38) está em sintonia com a oração do rei Ezequias: “Eu dizia: É necessário que eu me vá no apogeu de minha vida e de meus dias; para a mansão triste dos mortos descerei, sem viver o que me resta dos meus anos. Não verei o Senhor Deus sobre a terra dos viventes nunca mais; nunca mais verei um homem neste mundo! Minha morada foi à força arrebatada, desarmada como a tenda de um pastor. Qual tecelão, eu ia tecendo a minha vida, mas agora foi cortada a sua trama. Ó Senhor, meu coração em vós espera; por vós há de viver o meu espírito, curai-me e conservai a minha vida”.


Nossa oração é sempre escutada por Deus como a oração do rei Ezequias. Toda oração é sempre eficaz. Mas nem sempre percebemos a resposta de Deus. A oração nos põe em sintonia com Deus que quer a salvação de todos. A oração é uma percepção da realidade que logo se desabrocha em louvor, em adoração, em agradecimento e em pedido de piedade Àquele que é a origem do ser. Por isso, quem sabe viver conscientemente, sabe também rezar bem e conscientemente. E quem sabe rezar bem, também sabe viver conscientemente. A oração é mais do que recitar umas fórmulas, é, sobretudo, uma convicção íntima de que Deus é nosso Pai e que quer nosso bem, como filhos e filhas dele, mesmo que aparentemente nossas orações “não sejam atendidas”. A oração que não foi atendida é uma forma de Deus atender nosso pedido, pois Deus tem a sabedoria infinita. Tem ou não tem resposta para nossa oração é sempre uma resposta da parte de Deus que conhece todos os mistérios.


A Vida Humana É Maior Do Que Qualquer Lei


Com este capitulo (Mt 12) começam as controvérsias entre Jesus e os fariseus. Desta vez a controvérsia gira em torno da observância do Sábado.


A observância do Sábado era entre os principais mandamentos. O Sábado foi uma das observâncias  mais especificas do judaísmo; identificava os judeus e distinguia-se dos gentios e se tornou um sinal de autentico judaísmo.Era tão importante como todos os mandamentos juntos. Todo trabalho era proibido (cf. Dt 5,14). Tinha uma lista de 39 trabalhos proibidos no Sábado. E cada um desses 39 trabalhos proibidos se desdobrava em mais seis, ao todo 234 atividades proibidas. Transgredir o Sábado podia levar o acusado à condenação. A punição prevista chegava à pena de morte (cf. Ex 31,12-17; 35,1-3). Durante o exílio na Babilônia observar o Sábado era um sinal da identidade israelita entre os gentios.


Na verdade inicialmente observar o Sábado tinha como finalidade o descanso humano, para celebrar a libertação humana (interpretação da tradição deuteronomista. Cf. Dt 5,12-15). Mais tarde na tradição sacerdotal (cf. Ex 20,8-11), o descanso sabático tinha como finalidade imitar o repouso de Deus ao findar-se a obra da Criação. Com essa interpretação o Sábado passou a ser considerado como dia a ser “santificado”, dedicado a Deus e ao culto.


Na verdade, ao comentar Ex 31,13-14 os rabinos permitiam realizar trabalho em Sábado, se fosse em função de socorrer alguém em extremo perigo de vida. Eles diziam: “O homem não foi feito para o mundo, mas o mundo para o homem”. Ou: “O Sábado foi entregue a vós, não vós ao Sábado” (Simeão ben Menaxa, em 180 a.C, na época dos Macabeus). Na mesma linha está o Segundo Livro dos Macabeus: “Não foi por causa do Lugar que o Senhor escolheu o povo e sim por causa do povo, o Lugar” (2Mc 5,19).


Na interpretação dos fariseus sobre a observância do Sábado o que conta é a Lei. Os fariseus julgam o atuar humano a partir da lei e o julgam sob o aspecto que afeta a um preceito determinado, não a lei em seu conjunto. Os fariseus sabem que no Sábado pode-se comer, mas não se pode “colher”. Para eles cortar as espigas é colher. Logo este ato é considerado como trabalho e por isso, é proibido. Daí a pergunta deles: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!”. Ama menos quem se preocupa apenas com a lei e não com a dignidade do ser humano.


Jesus, na sua interpretação sobre a observância do Sábado, destaca a importância máxima ou o valor máximo do ser humano. Toda a atividade de Jesus tem como centro o ser humano e sua salvação. Para Jesus o que conta é o homem. Em nome da importância máxima do homem Jesus cita o profeta Oseías: “Quero a misericórdia e não o sacrifício” (Os 6,6). Com esta citação Jesus destaca a dignidade do homem diante de Deus. Em nome de um ser humano necessitado de libertação e de salvação Jesus é capaz de “transgredir” uma lei por mais sagrada que ela pareça ser, como o Sábado. Em nome do ser humano por amor Deus Pai enviou Seu Filho unigênito a fim de salvar a humanidade (cf. Jo 3,16). Em nome do ser humano e sua salvação, Jesus aceita ser perseguido, crucificado e morto. O preço de nossa salvação é o sangue de Jesus derramado na Cruz. Ao olhar para a Cruz de Jesus sabemos logo o quanto Jesus nos amou. E o mesmo Jesus continua se oferecendo como alimento para todos os seus seguidores, pois Ele continua nos amando. Por isso, ao participar da Eucaristia sabemos o quanto Jesus nos ama, pois Ele nos alimenta com seu próprio Corpo para podermos fazer nossa caminhada rumo à comunhão plena com nosso Deus e para que sejamos vida para os outros. A Eucaristia é nosso “Viático”, isto é, nosso alimento para nossa viagem nesse mundo rumo ao encontro derradeiro com Deus.


Por causa da grandeza do homem e de sua dignidade entre outras criaturas o Salmista fez a seguinte oração: “Quando contemplo o firmamento, obra de vossos dedos, a lua e as estrelas que lá fixastes: Que é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles? Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos, de glória e honra o coroastes. Destes-lhe poder sobre as obras de vossas mãos, vós lhe submetestes todo o universo” (Sl 8,4-7).


“Que é o homem de quem cuidas Tu, Senhor? Um ponto de poeira num cosmos de luz. (...) Sorrio em reconhecimento quando vejo que fizeste de mim o rei da tua criação, inferior, tão-somente, a Ti mesmo. Conheço a minha pequenez e a minha grandeza, a minha dignidade e a minha insignificância... Grande é o Teu Nome, ó Senhor, por toda a terra” (Carlos G. Valles. Busco Tua Face, Senhor: Salmos para contemplação. Ed.Loyola).


Sao Boaventura colocou na boca de Deus as seguintes palavras sobre o ser humano: "Quando te criei, pus sobre tua fronte a imagem da minha divindade, adaptei-me à imagem da tua humanidade quando te quis redimir; tu, pois, que cancelaste a imagem da minha divindade, impressa na tua fronte quando foste criado, retém ao menos na mente a imagem da tua humanidade, impressa em mim quando quis redimir-te; se não soubeste ficar qual tal te criei, sabe ao menos reter-me como eu fiz quando de novo te criei".


Quero a misericórdia e não o sacrifício”, diz-nos Jesus hoje. O culto e a vida, a oração e a convivência fraterna devem andar de mãos dadas. Trazemos nossa vida para nossa oração e levamos para a vida nossa oração na convivência fraterna.


Toda a atividade na Igreja do Senhor está em torno das pessoas e não em torno do trabalho. Na Igreja do Senhor, jamais pode ser colocada a pessoa de lado em função do trabalho. Trabalhamos na Igreja em função das pessoas e sua salvação e não em função do próprio trabalho. As pastorais e os movimentos existem para alcançar esse objetivo. Por isso, a seguinte pergunta permanece como um alerta: Se Jesus coloca o ser humano como o centro de sua atividade, qual é o lugar do homem, das pessoas nas nossas atividades pastorais e profissionais? “Quero a misericórdia e não o sacrifício”.
 
P.Vitus Gustama, SVD

sábado, 11 de julho de 2020


16/07/2020
Dia de Nossa Senhora do Carmo! Leia e faça um pedido a Ela.Evangelho de hoje (Mt 12,46-50) - Egídio Serpa | Egídio Serpa ...

NOSSA SENHORA DO CARMO
16 de Julho


Primeira Leitura: Zc 2,14-17
14 “Rejubila, alegra-te, cidade de Sião, eis que venho para habitar no meio de ti, diz o Senhor. 15 Muitas nações se aproximarão do Senhor, naquele dia, e serão o seu povo. Habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a ti. 16 O Senhor entrará em posse de Judá, como sua porção na terra santa, e escolherá de novo Jerusalém. 17 Emudeça todo mortal diante do Senhor, ele acaba de levantar-se de sua santa habitação”.


Evangelho: Mt 12, 45-50
Naquele tempo, 46 enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47 Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. 48 Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49 E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50 Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.
_________________
Nossa Senhora Do Carmelo


Celebramos neste dia (16 de julho) a festa de Nossa Senhora do Carmo (Carmelo). “Karmel”, em hebraico significa “Jardim fértil”. “Carmelo” é uma elevação montanhosa que se estende para além de 25 km do golfo de Haifa, no Mediterraneo, até a planície palestinense de Esdrelon, atingindo os 456m de altitude. Aos olhos dos hebreus, acostumados com as areias e as cores do deserto, o Carmelo se tornou de modo compreensível a imagem da presença de Deus. O Carmelo sempre foi um monte sagrado.


Por isso, esta festa nos traslada espontaneamente para a terra da Bíblia, para o monte Carmelo (cf. Is 35,2; Ct 7,6; Am 1,2). No Carmelo o profeta Elias tinha levado o povo a descobrir a verdadeira fé, eliminando os cultos idolátricos de Baal e reconstruindo o altar em honra de Javé, o Deus único (Cf. 1Rs 18,19-46). No século IX antes de Cristo, o profeta Elias converteu esse lugar no refúgio da fidelidade ao Deus único (monoteísmo) e no lugar dos encontros entre o Senhor e seu povo (cf. 1Rs 18,39). Durante as Cruzadas, os ermitãos cristãos se recolheram nas grutas daquele monte emblemático, até que no século XIII formaram uma família religiosa à qual o patriarca Alberto Avogadro de Jerusalém deu “uma regra de vida” e congregando-os ao redor da mencionada igrejinha de “Nossa Senhora” em 1209. Sabemos de tudo isso por um documento do Papa Inocêncio IV, em 1552, que estes ermitãos eram chamados “irmãos da ordem de santa Maria do monte Carmelo” e se consideravam parte da família de Maria.


O Monte Carmelo está situado na planície de Galileia, perto de Nazaré, onde viveu Maria, a Mãe do Senhor que conservava tudo em seu coração (cf. Lc 2,51). Por isso, a Ordem do Carmelo se põe desde suas origens sob a proteção da Mãe dos contemplativos. Do Carmelo receberá São João da Cruz a inspiração para fazer de sua subida, o Monte da Perfeição Evangelica, Monte repleto de paz e doçura e de santidade. É natural que no século XVI, os dois doutores da Igreja e reformadores da Ordem, Santa Teresa de Jesus e São João da Cruz converteram o Monte Carmelo no sinal do caminho para Deus.


Desde aqueles ermitãos que se estabeleceram no monte Carmelo, os carmelitas se distinguiram por sua profunda devoção à Santíssima Virgem Maria.


Quando Palestina foi invadida pelos sarracenos (árabes), os Carmelitas tiveram que abandonar o Monte Carmelo. Enquanto cantavam o cântico Salve apareceu lhes a Virgem Maria e lhes prometeu que seria sua Estrela do Mar, pela analogia da beleza do Monte Carmelo que se alça como uma estrela junto ao mar Mediterrâneo. Do Monte Carmelo os carmelitas migraram para o Ocidente. A ordem carmelita implorou a proteção e a defesa de Maria.  Por isso, apesar das contraposições, a ordem carmelita foi reconhecida, de alguma maneira, pelo Concílio de Lião em 17 de julho de 1274 e mais tarde aprovado por Bonifacio VIII em 1298. A ordem se difundiu pela Europa, e a Estrela do Mar lhe acompanhou e a Ordem foi se propagando pelo mundo e eram chamados de “Irmãos de Nossa Senhora do Monte Carmelo”. Em sua profissão religiosa se consagravam a Deus e a Maria, e tomavam o habito em sua honra, como lembrança (aviso) de que suas vidas pertencem a ela, e por ela a Cristo. A busca da sabedoria, a escuta da Palavra de Deus e o cumprimento da vontade de Deus são temas que iluminam o sentido mais verdadeiro da devoção à Virgem do Carmelo segundo a mais pura e genuína tradição da Ordem do Carmelo.


Simon Stock, nomeado superior da Ordem dos Carmelitas (1245), compreendeu que sem a intervenção da Virgem Maria, a Ordem teria vida curta. Recorreu a Maria a qual chamou de “Flor do Carmelo” e “Estrela do Mar” e pus a Ordem sob seu amparo, suplicando-lhe sua proteção para toda a comunidade. Na resposta à sua oração, no dia 16 de Julho de 1251 apareceu-lhe a Virgem Maria (em Cambridge na Inglaterra) e deu-lhe o escapulário para a Ordem com a seguinte promessa: “Este deve ser um sinal e privilégio para ti e para todos os Carmelitas: quem morre com o escapulário não sofrerá o fogo eterno”.


Nós nos comunicamos por símbolos, bandeiras, emblemas, escudos e uniformes que nos identificam. As comunidades religiosas levam seu habito ou outro sinal ou símbolo como sinal de sua consagração a Deus. Os leigos que desejam associar-se aos religiosos no caminho da santidade podem usar escapulários, miniatura de habito, com rosário e a medalha milagrosa. São Afonso Ligório disse: “Os homens se orgulham quando os outros usam sua uniforme, e a Virgem está satisfeita quando seus servidores usam seu escapulário como prova de que se dedicaram a seu serviço, e são membros da família da Mãe de Deus”. O escapulário foi instituído pela Igreja como sacramental e sinal que nos ajuda a viver santamente e a aumentar nossa devoção e que propicia a renúncia ao pecado.


Por isso, é preciso que estejamos conscientes de que o escapulário de Nossa Senhora do Carmo, como qualquer outro, não é um objeto para uma proteção mágica (um amuleto); nem uma garantia automática de salvação; nem uma dispensa para não ouvir as exigências da vida cristã. O escapulário é um sinal “forte” aprovado pela Igreja desde séculos que representa nosso compromisso de seguir a Jesus como Maria: abertos a Deus e a sua vontade, guiados pela fé, pela esperança e pelo amor, ser próximos dos necessitados, orando constantemente e descobrindo Deus presente em todas as circunstâncias, ser um sinal que alimenta a esperança do encontro com Deus na vida eterna.


Quem usa o escapulário deve estar consciente de sua consagração a Deus e à Virgem Maria e ser consciente em seus pensamentos, palavras e obras. Maria, a Mãe do Senhor foi a primeira discípula de Jesus Cristo, pois ela viveu segundo a Palavra de Deus: “Eis me aqui a Serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a Tua Palavra” (Lc 1,38). Para são João da Cruz a Virgem Maria foi sempre dócil aos impulsos do Espírito Santo, pois “jamais teve impressa na alma forma de alguma criatura, nem se moveu por ela; mas sempre agiu sob a moção do Espírito Santo” (III Subida 2,10). E para Santa Teresa de Jesus Maria “estava sempre firme na fé” (VI Moradas 7,14), cheia de “tão grande fé e sabedoria” que sempre aceitou em sua vida os caminhos de Deus, escutando humildemente a Palavra (cf. Conceitos do Amor de Deus 6,7).


Mensagem Do Evangelho


O evangelho lido neste dia é escolhido em função da festa de Nossa Senhora do Carmo. No episódio do Evangelho de hoje é revelada a passagem da fraternidade-familiaridade puramente natural para a espiritual que Maria vive já, pois ela é Aquela que afirma: “Eis aqui a Serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a Tua Palavra” (Lc 1,38).


Na passagem do evangelho de hoje Jesus pergunta e afirma: “Quem é minha mãe? Quem são meus irmãos. Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mt 12,50). Trata-se de uma família ou uma comunidade de Deus, e por isso, de uma comunidade de salvação. A pergunta não significa um desprezo de Jesus aos seus parentes ou familiares. Ninguém amou Sua mãe melhor do que o próprio Jesus. E nenhuma mãe amou melhor seu Filho, Jesus, do que a própria Maria. Jesus oferece aos homens a qualitativa intimidade de sua família. A família humana de Jesus viveu conforme a vontade de Deus: José que criou Jesus era chamado de “o justo”, aquele que vive segundo os mandamentos de Deus (cf. Mt 1,19). Maria, a Mãe de Jesus foi chamada pelo anjo do Senhor “cheia de graça” (cf. Lc 1,28) e “Bendita entre as mulheres” e a “Mãe do meu Senhor” por Isabel (Lc 1,42-43).


Por isso, a família humana de Jesus serve de exemplo para todas as famílias humanas. Que é possível formar uma família de Deus nesta terra. Que é possível viver no céu aqui na terra através da vivência da Palavra de Deus. A única maneira de salvar a família humana é transformá-la em família de Deus, família que vive de acordo com os mandamentos de Deus, família que coloca Deus como o centro de sua vida e a família que se funda sobre a rocha da Palavra de Deus (cf. Mt 7,24-25).


Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe, disse Jesus. A nova família formada por Jesus supera as medidas da família natural por causa da vivência da Palavra de Deus. Maria, a Serva (Lc 1,38), a discípula que se entrega por completo a fim de que se cumpra a vontade de Deus é o grande exemplo desta comunhão familiar com Jesus através do vínculo da Palavra divina escutada e vivida. O ciristão gera em si mesmo Jesus mediante o cumprimento da Palavra de Deus. Os frutos da participação no Reino anunciado por Jesus são: a fraternidade, a maternidade, comunhão de todos na mesma fé, na mesma esperança e no mesmo amor.


Maria concebeu Jesus antes com a fé que em seu seio virginal. Maria acreditou e logo foi mãe. Todos nós, cristãos, temos algo de filhos gerados no amor e algo de mães e irmãos gerados na fé que nos faz filhos no Filho de Deus, Jesus Cristo. Vivamos como Maria: creiamos em Cristo, vivamos com Ele e n’Ele, e assim contribuiremos a gerar filhos para Deus.


A Virgem Maria, Nossa Senhora do Carmo, nos ensina a vivermos abertos diante de Deus e de Sua vontade, manifestada nos acontecimentos da vida; a escutarmos a voz ou a Palavra de Deus na Bíblia e na vida, para meditá-la, pondo depois em prática as exigências desta voz; a orarmos fielmente sentindo Deus presente em todos os acontecimentos; a vivermos próximos de nossos irmãos e a sermos solidários com eles em suas necessidades. A Mãe do Senhor e nossa mãe (cf. Jo 19,26-27) jamais nos abandona, pois somos seus filhos no seu Filho Jesus Cristo. Nenhuma mãe normal é capaz de abandonar seu filho. Imagine a Mãe do Senhor!


QUE FIZESTE, MARIA para valer tanto diante de Deus? Foi tua beleza, ou tua inteligência ou tua bondade que venceu o Criador e Pai, a ponto de te tornares participante direta e pessoal de todos os mistérios divinos? Quem não conhece a resposta cantada no Magnificat? O Pai viu que ninguém seria tão simples continuaria tão humilde, sendo Cheia de Graça e Mãe de Deus. ... Estás tão cheia que, a cada passo, a cada gesto, a cada pensamento, transbordas e derramas sobre os homens a Graça que é perene em Ti” (Dom Helder Câmara: Nossa Senhora No Meu Caminho, Ed. Paulus 7ª edição,2005 p.75 e 93).


“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte. Amém!”.
P. Vitus Gustama, SVD

15/07/2020
el blog del padre eduardo: Curso de Biblia 2016. 51- La caída de ...Isaías 10, Assim fala o Senhor: “Ai de Assur, vara de minha cólera ...Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos ...Isaías 50:1-11 - UM SALMO DE CONFIANÇA DO SERVO EM ISAÍAS 50 ...

DEUS SE REVELA AOS  SIMPLES E HUMILDES E LHES DÁ SUA FORÇA
Quarta-Feira da XV Semana Comum


Primeira Leitura: Is 10,5-7.13-16
Assim fala o Senhor: 5 “Ai de Assur, vara de minha cólera, bastão em minhas mãos, instrumento de minha indignação! 6 Eu o envio contra uma nação ímpia e ordeno-lhe, contra um povo que me excita à ira, que o submeta à pilhagem e ao saque, que o calque aos pés como lama nas ruas. 7 Mas ele assim não pensava, seu propósito não era esse; pelo contrário, sua intenção era esmagar e exterminar não poucas nações. 13 Pois diz o rei da Assíria: ‘Realizei isso pela força de minha mão e com minha sagacidade, pois tenho experiência; aboli as fronteiras dos povos, saqueei seus tesouros, e derrubei de golpe os ocupantes de altos postos; 14 minha mão espalmou como um ninho a riqueza dos povos; e como se apanha uma ninhada de ovos, assim ajuntei eu os povos da terra, e não houve quem batesse asa ou abrisse o bico e desse um pio’. 15 Mas acaso gloria-se o machado, em detrimento do lenhador que com ele corta? Ou se exalta a serra contra o serrador que a maneja? Como se a vara movesse quem a levanta e um bastão erguesse aquele que não é madeira. 16 Por isso, enviará o Dominador, Senhor dos exércitos, contra aqueles fortes guerreiros o raquitismo; e abalará sua glória com convulsões que queimam como fogo”.


Evangelho: Mt 11,25-27
25 Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26 Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27 Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.
______________
É Preciso Se Submeter Ao Poder De Deus Que Não Destrói, Mas Salva

Ai de Assur, vara de minha cólera, bastão em minhas mãos, instrumento de minha indignação! Eu o envio contra uma nação ímpia e ordeno-lhe, contra um povo que me excita à ira, que o submeta à pilhagem e ao saque, que o calque aos pés como lama nas ruas”, assim é o oráculo do Senhor através da boca do profeta Isaías.

No texto da Primeira Leitura, o profeta Isaías fala da falta da compreensão por parte do povo sobre o desígnio de Deus. Em vez de ser fiel à Aliança estabelecida por Deus, o povo eleito substitui a Aliança divina pela busca do poder no império de Assíria, com planos criminais e imperialistas de dominação.

Uma das ideias básicas do profeta Isaías e dos profetas do AT é que Deus é quem conduz a história a seu modo, e não os que, à primeira vista, parecem ser os protagonistas ou poderosos.

Hoje lemos as palavras cheias de críticas do profeta Isaias contra o assírio Senaquerib que com seus exércitos chega a crer todo-poderoso. E Deus se serve destes personagens estrangeiros para purificar e fazer amadurecer seu povo, Israel. Para Deus Assíria e seus exércitos são “a vara de minha ira”, a vara com que Deus castiga o filho (Israel) rebelde. E mais tarde, Deus se servirá de Ciro para facilitar a volta de seu povo do exílio de Babilônia para Israel.

O que Deus não permite é que estes “instrumentos” (Assíria, Babilônia ect.) se creiam independentes e se orgulhem de seu poder. As comparações são muito expressivas: “Acaso gloria-se o machado, em detrimento do lenhador que com ele corta? Ou se exalta a serra contra o serrador que a maneja? Como se a vara movesse quem a levanta e um bastão erguesse aquele que não é madeira”, assim disse Deus pela boca do profeta Isaías. Assíria que exerce sua missão de castigar o povo de Israel, receberá, por sua sua vez, o castigo pela sua arrogância. Notamos que a arrogância faz parte da ignorância, pois o arrogante sempre se crê poderoso e sempre se crê com razão. Mas infelizmente, os arrogantes também envelhecem e morrem e experimentam a destruição.

Sabemos muito bem que o poder mundano necessita destruir os outros (rivais ou inimigos) para se afirmar mais. Mas o poder é irônico, pois “Não há poder que não seja humano. É por isso que o poder é tão irritante, quando é o dos outros, e tão delicioso, quando é nosso” (André Comte-Sponville).

O poder, a prepotência  e a ignorância estão de mãos dadas: “Realizei isso pela força de minha mão e com minha sagacidade, pois tenho experiência; aboli as fronteiras dos povos, saqueei seus tesouros, e derrubei de golpe os ocupantes de altos postos; minha mão espalmou como um ninho a riqueza dos povos; e como se apanha uma ninhada de ovos, assim ajuntei eu os povos da terra, e não houve quem batesse asa ou abrisse o bico e desse um pio”, assim disse o rei da Assíria.

O arrogante é aquele que tem um excesso de confiança em si mesmo, no que diz, no que faz, nas decisões que toma. Para o arrogante, tudo que faz é perfeito; ele é perfeito; ele é Deus e faz tudo certo. Nada nem ninguém podem falar algo contra. O excesso de confiança não dá margem para melhorar. Soberbo, vaidoso exageradamente, arrogante, presunçoso, endeusado, imodesto, pedante, petulante, narcisista, autossuficiente são sinônimos de uma mesma palavra: arrogante/orgulhoso/prepotente.

Quando fala dos outros, o arrogante o faz com o desprezo. A prepotência ou a arrogância é o pai de todos os vícios. A arrogância faz parte da vida de pessoas desequilibradas. O arrogante termina, em muitas ocasiões, humilhado.

Em uma pessoa de inteligência equilibrada não há abrigo para a arrogância, pois se submete à constatação da verdade. Uma pessoa de inteligência equilibrada reconhece suas próprias limitações que a torna humilde, e a humildade a faz aprender mais e por isso, ela cresce cada vez mais. A partir do momento em que somos capazes de romper com o excesso de confiança em nós mesmos (o contrário do arrogante) e estamos prontos para sair da estagnação, teremos clareza para focar nos novos objetivos e conquistar cada um dos sonhos. Pessoa simples e humilde conta com Deus e com suas capacidades conjuntamente.


Somos Chamados a Ser Pequeninos Para Que Deus Se Revele a Nós

Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos”.

Para entender o sentido do texto lido neste dia é preciso ler o texto precedente no qual Jesus condena as cidades da Galiléia (cf. Mt 11,20-24). Por esta razão, para manter a continuação do narrativo Mateus usa a expressão “Por esse tempo”, “en ekeinoi toi kairõi(Mt 11,20). Mateus emprega neste texto o termo “kairós” que aqui significa mais do que simplesmente “tempo”. É um tempo determinado, oportuno e decisivo. É o tempo de Deus. É o tempo da graça. É o tempo da salvação. Por isso, a conotação escatológica é bem clara neste texto.

No texto precedente Jesus dirige sua condenação às três cidades: Corazim, Betsaida e Cafarnaum, que são sede de escolas rabínicas e, por conseguinte, centros de cultura religiosa. Por ser centros de cultura religiosa, seus membros se enchem de autossuficiência e orgulho que lhes impedem de descobrir as ações divinas que se realizam por meio das obras de Jesus. Santo Agostinho perguntava retoricamente: “Se tu estás preocupado com tua própria glória, como poderás interessar-te seriamente pelo bem dos demais?” (In ps. 37,8). Os sábios e os entendidos são, neste contexto, todos aqueles que com sua atitude irresponsável não são capazes de aceitar as intervenções de Deus na história. Sua soberba lhes impede de aceitar e de perceber a manifestação divina. “A alma do soberbo está cheia, mas de ar(In ps. 39,28). Por isso, o mesmo Santo Agostinho deu o seguinte conselho: “Para tu alcançares as alturas necessitas de uma escada. Para alcançares a altura da grandeza, usa a escada da humildade” (Serm. 96,3). E "Quanto mais humildes, maiores" (In ps. 146,16)

Mesmo assim, Deus, apresentado como “Senhor do céu e da terra” continua sua obra criadora na história. Se Deus é apresentado como “Senhor do céu e da terra”, isto significa que não há outro “senhor” que seja maior do que Deus. Todos os demais são criaturas, simplesmente. O poder humano é temporário. A sabedoria humana é limitada. Quem estiver em sintonia com o Espírito de Deus, captará a presença de Deus nesta vida ou na história. O desígnio de Deus (do Pai) encontra sua realização em outros sujeitos que são classificados como “gente simples”.

No texto do evangelho de hoje Jesus louva a Deus em uma oração de ação de graças: “Eu Te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra...”. É uma oração de ação de graças. É um louvor. O coração de Jesus transborda de agradecimento ao Pai.

O louvor se refere principalmente a Deus. Um cristão é vivo quando ergue o olhar para algo maior do que qualquer criatura, e o louva. Ao louvar a Deus, o homem olha tudo além de si mesmo. O homem louva porque percebe sua vida e seu sentido e a beleza do mundo a partir de Deus, e louva a Deus por tudo de bom que existe. O louvor é sinal de uma alma saudável e sempre faz bem para a alma. O louvor relativiza os problemas cotidianos. O homem que louva sempre ganha nova força para superar os problemas diários. O louvor é uma maneira de ver o mundo sob a nova luz que é a luz de Deus. quem vive louvando a Deus vive feliz e sereno.         

Somente quando estivermos serenos é que percebemos a beleza da vida. A serenidade é a expressão da tranquilidade vivida com gratidão por nos sentirmos amparados por Deus e em Deus. A serenidade oferece e garante a justa perspectiva das coisas. Diante da glória e da bondade do Deus misericordioso qualquer sofrimento ou dificuldade perde o seu caráter ameaçador.

Jesus louva a Deus com o seguinte motivo: “... porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11,25). “Estas coisas” das quais o texto fala se referem às obras messiânicas de Jesus das quais o capítulo inteiro fala por ocasião da pergunta dos enviados de João Batista (cf. Mt 11,2-6).

Os pequeninos dos quais Jesus fala são os que se sabem necessitados e limitados. Esta é a razão pela qual eles abrem seu coração à misericórdia divina. Sempre necessitamos ser amados por Deus e pelos homens, pois somente o amor é que nos faz crescer e chegar à maturidade como pessoa. A simplicidade e a humildade são a porta de entrada ao conhecimento de Deus. Se não fizermos este primeiro passo, avançaremos na direção da falsidade e ficaremos cheios de vangloria. As pessoas simples, as de coração humilde, são as que sabem entender os sinais da proximidade de Deus. Elas têm um coração sem demasiadas complicações. Os humildes têm um coração limpo e simples que lhes permite ver tudo com os olhos de Deus. É a pureza de coração, a ausência de todo interesse distorcido que nos permite discernirmos as coisas de Deus na nossa vida e na história. Jesus chama bem-aventurados os que têm o coração puro: Bem-aventurados os puros do coração, porque verão a Deus (Mt 5,8).

O simples não se louva nem se despreza. Ele é o que é, sem desvios, sem afetação, faz o que faz, mas não vê nisso matéria para discursos ou para comentários. É a vida sem mentiras, sem exagero, sem grandiloquência. Ele acolhe o que vem, sem nada guardar como coisa sua. Ele ocupa-se do real, não de si. Por isso, a vida de um simples é leve.

Deus quer que os homens não se ocupem de si mesmos para que ele possa ter espaço neles para Sua graça, pois aquele que se enche de si não sobra espaço nem para Deus nem para os outros. Em outras palavras, que os homens voltem a ser simples.

Deus se revela certamente àquele que se despoja de si mesmo e de tudo, ao simples, àquele que vive segundo o Espírito, àquele que tem um olhar e o coração limpos. O coração limpo e a ausência de todo interesse torcido permitem o simples discernir a ação de Deus na história. Os simples são os que, ao se esvaziarem de si mesmos, se abrem a Cristo e aos irmãos. Por isso, eles são preferidos de Deus. A atitude dos simples é, portanto, a alternativa diante da obstinada petulância dos soberbos.  Não é por acaso que Mahatma Gandhi dizia: “Como Deus se encontra mais freqüentemente entre suas criaturas mais humildes do que entre os poderosos, esforço-me por me colocar no nível das primeiras- o que só se pode fazer colocando-se a seu serviço. Daí minha paixão pelo serviço das classes oprimidas. Servir é a minha religião. Não me inquieto com o futuro”.

Eu Te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos”. Que esta oração de Jesus seja um grande motivo para voltarmos a viver no louvor e na simplicidade, pois uma vida de louvor a Deus e uma vida vivida na simplicidade é uma vida leve, alegre, animada e cheia de esperança.
P.Vitus Gustama, SVD

sexta-feira, 10 de julho de 2020

14/07/2020
29. O profeta IsaíasÉ PRECISO CAMINHAREvangelho do dia 18 de julho terça feira | Swjohn's Blog
SOMOS CHAMADOS  À CONVERSÃO PERMANENTE PARA ALCANÇAR A QUALIDADE DE VIDA E DE CONVIVÊNCIA
Terça-Feira Da XV Semana Comum


Primeira Leitura: Is 7,1-9
1 No tempo de Acaz, filho de Joatão, filho de Ozias, rei de Judá, aconteceu que Rason, rei da Síria, e Faceia, filho de Romelias, rei de Israel, puseram-se em marcha para atacar Jerusalém, mas não conseguiram conquistá-la. 2 Foi dada a notícia à casa de Davi: “Os homens da Síria estão acampados em Efraim”. Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento. 3 Então disse o Senhor a Isaías: “Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub (isto é, ‘um resto voltará’) até a ponta do canal, na piscina superior, na direção da estrada do Campo dos pisadores; 4 e dirás ao rei: Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes, diante da ira furiosa de Rason e da Síria, e do filho de Romelias, 5 por terem a Síria, Efraim e o filho de Romelias conjurado contra ti, dizendo: 6 ‘Vamos atacar Judá, enchê-lo de medo e conquistá-lo para nós, e nomear novo rei, o filho de Tabeel’. 7 Isto diz o Senhor Deus: ‘Este plano fracassará, nada disso se realizará! 8 Que seja Damasco a capital da Síria e Rason o chefe de Damasco; dentro de sessenta e cinco anos deixará Efraim de ser povo; 9 que seja a Samaria capital de Efraim e o filho de Romelias chefe de Efraim. De resto, se não confiardes, não podereis manter-vos firmes’.


Evangelho: Mt 11,20-24
“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas se teriam arrependido sob o cilício e a cinza. Por isso vos digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Tiro e para Sidônia que para vós!  E tu, Cafarnaum, serás elevada até o céu? Não! Serás atirada até o inferno! Porque, se Sodoma tivesse visto os milagres que foram feitos dentro dos teus muros, subsistiria até este dia. Por isso te digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Sodoma do que para ti!”


----------------------
É Preciso Confiar Mais Em Deus Do Que Na Força Limitada Do Homem


Então disse o Senhor a Isaías: ‘Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub (isto é, ‘um resto voltará’)... e dirás ao rei: Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes... Este plano fracassará, nada disso se realizará!”.


Continuamos a acompanhar a leitura do livro do profeta Isaias como a Primeira Leitura. Isaías, de origem aristocrática, vive em Jerusalém, a capital do reino de Judá, em um círculo de escribas, especialistas políticos, conselheiros do rei. Continuamente intervém na política do seu país, pois Deus quer que fale aquilo que lhe é inspirado. Já vimos como isso parecia natural para todos os profetas.


É mencionado, no texto de hoje, o nome do rei Acaz. Estamos no ano 735 antes de Cristo. Jerusalém está cercada pelos exércitos que acampam a poucos quilômetros antes de atacar Jerusalém. O enloquecimento é geral: “Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento”. Acaz (forma abreviada de Jeoacaz. Heb. “O Senhor tem possuído”) foi sucessor de seu pai Joatão (740-736 a.C. Jotão: “o Senhor é perfeito. Cf. 2Rs 15,32-38). Acaz (736-716 a.C: cf. 2Rs 16,1-4) reinou em Judá durante o final conturbado do reino de Israel, no Norte. Seu governo foi caracterizado por muitos problemas e ele mesmo recebeu esse epitáfio: “Não fez o que era reto aos olhos do Senhor seu Deus, como Davi, seu pai” (2Rs 16,2). Acaz ganhou esta reputação por aprovar a colocação das imagens dos ídolos assírios no Templo de Jerusalém (2Rs16,10-16). Além disso, fazendo parte do povo de Aliança, Acaz ofereceu sacrifícios aos deuses de Damasco (2Crônicos 28,23).


Até aqui é bom nos perguntarmos: Quais são os ídolos que colocamos no nosso “Templo” que somos nós, profanando o Templo do Espirito Santo que somos nós? (cf. 1Cor 3,16-17). Se não os tirarmos imediatamente, a nossa própria destruição estará certa, como a queda de Judá era inevitável pela mesma razão. Se uma pessoa não se mudar pelo bem e pelo amor, um dia será obrigada a se mudar pela dor. E isso pode ser que seja tarde demais.


O profeta Isaías estava em atividade nessa época e os capítulos 7 a 10 de seu livro nos dão uma visão do estado do governo de Acaz. Acaz começou seu reino diante de alguns problemas consideráveis como coalizão entre a Síria e Israel contra Judá, além da aprovação da colocação das imagens dos ídolos no Templo. O profeta Isaías está contra essa coalizão e pede que o rei Acaz confie em Deus: “Se não o crerdes, certamente não ficareis firmes” (Is 7,9b). Contudo, como essa confiança já comprometida, a queda de Judá se tornou inevitável e Deus usou a Babilônia como seu instrumento para trazer o juízo divino.


Não é que cada desgraça seja castigo pelo pecado cometido ou cada êxito, como prêmio para a virtude. Mas nós mesmos vamos nos construindo um futuro bom ou mau conforme os caminhos que seguimos e as opções que fazemos. O que semeia ventos recolhe tempestades. O mal que praticamos tem sempre as consequências destrutivas para nossa vida e a vida das pessoas ao nosso redor. Como poderemos ter uma vida estável, se a construirmos sobre os interesses ou falsidades? Somos chamados a projetar aquilo que fazemos agora para saber por antecipação como vai ser nossa vida daqui a algum tempo. Ninguém colherá o milho se plantar o arroz.


No texto da Primeira Leitura lemos: “Então disse o Senhor a Isaías: ‘Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub (isto é, ‘um resto voltará’)... e dirás ao rei: Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes... Este plano fracassará, nada disso se realizará!’”.


O gesto simbólico que Deus sugere a Isaías é lindo. Ele tem que ir ao encontro do rei Acaz acompanhado pelo filho do profeta, que tem por nome "Sear Yasub", que significa "um resto voltará". Deus nunca fecha a porta para a esperança. Aqueles que fecham a porta da esperança, muitas vezes, somos nós, com nossos desvios e esquecimentos sobre as graças de Deus na nossa vida.


“Dirás ao rei: Procura estar calmo!” porque “Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento” diante da noticia sobre a tentativa da invasão de Israel e da Assíria em Jerusalém. Acreditamos que  Quando o poder do amor sobrepuser sobre o amor pelo poder, o mundo alcançará a paz e a convivência fraterna.


“Procura estar calmo!”. Como seres humanos imperfeitos,  a tentação e o nervosismo são características  comuns para todos nós. Muitas vezes, entregamos o comando de nossa vida ao nervosismo e ao medo, quando nossa mente deixa de funcionar e nossa fé deixa de operar, pois está faltando o espaço na nossa vida para esta fé dominar a situação.


“Procura estar calmo!”. É a Palavra de Deus para o rei Acaz através do profeta Isaías. Em outras palavras: “Tenha fé em Deus apesar de tudo!”. A verdadeira fé em Deus é capaz de vencer as influências nefastas do mundo, pois quem se mantém na profissão da verdadeira fé vive no mundo de Deus e vence o mundo mundano. A fé nos garante a serenidade. A serenidade não é a libertação da tempestade, e sim a paz no meio da tempestade, porque acreditamos que Deus está conosco (Cf. Mt 4,35-41). A serenidade abre a porta para a inspiração e para a criatividade.


O contraste é evidente entre a perturbação do rei Acaz e a lúcida serenidade do profeta Isaías, pois Isaias escuta Deus em pleno centro dos acontecimentos: “O Senhor disse a Isaias”. O profeta Isaias é um fiel ouvinte de Deus. O Salmo Responsorial insiste nesta confiança baseada no amor que Deus tem a Jerusalém: “Deus revelou-se em suas fortes cidadelas um refúgio poderoso.... Os reis da terra se aliaram, e todos juntos avançaram; mal a viram, de pavor estremeceram, debandaram perturbados”.


Para o profeta Isaias os acontecimentos são a chamada a uma intensa vida espiritual, a uma intensa vida com Deus. É sempre importante escutar Deus que sabe de todos os mistérios.


Será que eu sei escutar Deus que também fala a mim através de tudo que sucede na minha vida e também através das situações coletivas que afetam uma grande número de pessoas. A finalidade de revisão de vida ou do exame de consciência é procurar escutar o que Deus diz em pleno centro dos acontecimentos.


Jesus Nos Chama à Conversão Permanente Para Que a Graça Opere Na Nossa Vida


No evangelho deste dia Jesus dirigiu suas maldiçoes para três cidades: Corazim, Betsaida e Cafarnaum que se situam à beira do lago Tiberíades. “As cidades” são sedes de escolas rabínicas e centros de cultura religiosa. Essas maldições são a contrapartida das bem-aventuranças que Jesus pronunciou no Sermão da Montanha. Essas cidades tiveram mais ocasiões de ouvir Jesus e de presenciar os milagres operados por ele. Os milagres de Jesus são sinais que anunciam a chegada do Reino de Deus.  Os milagres são a assinatura de Deus sobre Sua existência. E a resposta do ser humano deve ser a conversão e a fé. No entanto, ninguém se converteu nessas três cidades. Continuavam a viver na injustiça e na arrogância.


Jesus não aguentou mais a dureza do coração dos habitantes dessas cidades, e por isso, pronunciou as maldiçoes. Não se trata de o ódio da parte de Jesus para essas cidades. Sua voz é a voz profética. Os profetas do AT falavam duro para que seus ouvintes mudassem de vida. Deus não quer a morte do pecador, mas sua salvação. Deus está do lado do pecador e odeia o pecado, pois “Pecar é desmoronar o próprio ser e caminhar para o nada”, dizia Santo Agostinho (De mor. manich. 6,8). Por isso, o que tem por trás dessas maldições é o convite de Jesus para a conversão. Converter-se significa, neste sentido, deixar de praticar a injustiça e começar uma vida baseada na justiça. Justiça é o reconhecimento dos direitos dos outros. A verdadeira conversão deve mudar a qualidade das relações humanas.


Às vezes a Palavra de Jesus é ameaçadora, porque a vida humana não é um “jogo”; é algo muito sério onde há lugar para o juízo de Deus: nossa vida cotidiana é uma correspondência a Deus ou é uma recusa a Deus. Em todo momento nossos atos são uma escolha pró ou contra Deus. Infelizmente nem sempre pensamos nisso. Em todo momento Deus quer algo de nós. E em todo momento podemos saber qual é a vontade de Deus sobre nós. Quando pensarmos realmente em Deus em todo momento, e não só em algum momento de nossa vida, poderemos viver com Ele em correspondência à Sua vontade.


As maldições pronunciadas por Jesus no evangelho de hoje são as terríveis advertências para os que se gloriam de ser cristãos, mas não vivem os ensinamentos de Jesus ou não se convertem permanentemente. “De que vale ter o nome de cristão se tua vida não é cristã”, perguntou Santo Agostinho (In epist. Joan. 4,4). “O nome de cristão traz em si a conotação de justiça, bondade, integridade, paciência, castidade, prudência, amabilidade, inocência e piedade”, acrescentou Santo Agostinho (De vit. Christ. 6). Basta substituir nome das cidades amaldiçoadas por seu nome e ouvir estas palavras atentamente, creio que, logo você dá a vontade de fazer o sinal da cruz e se benzer. E você diria: “Deus me livre!”.


O Reino de Deus certamente começa em nós pela nossa conversão aos valores do Reino de Deus tais como à verdade, à veracidade, à honestidade, à justiça, à paz, à fraternidade, ao respeito pela vida e dignidade dos outros e assim por diante. No coração de cada cristão deve germinar a semente dos valores do Reino de Deus, porque do coração humano brota tudo o que é bom e mau que vemos no mundo. Temos que lutar contra a armadilha do velho egoísmo que quer perpetuar o desamor, e a falta de respeito pela dignidade dos outros. Viver em estado permanente de conversão é a lei de crescimento para cada cristão. Lembemo-nos de que “As trevas obscurecem a vista. Os pecados obnubilam a mente. E não permitem ver a luz nem a si mesmo”, dizia Santo Agostinho (In ps. 18,13).


O texto do Evangelho de hoje está construído tendo em conta os oráculos e lamentações dos grande profetas contra as cidades pecadoras e resumem o juízo do Messias sobre o povo que não aceitou sua mensagem de conversão ao Reino de Deus. converter-se significa deixar de praticar a injustiça e começar uma vida justa e honesta. A conversão deve mudar a qualidade das relações humanas.


É bom cada um de nós perguntar-se: Como posso me situar diante das maldiçoes de Jesus? A cidade onde eu moro e o país ao qual eu pertenço merecem as advertências de Jesus como Ele amaldiçoou Cafarnaum, Corazim e Betsaida?
P.Vitus Gustama, SVD

13/07/2020
O livro de Isaías – Introdução | Blog do Seu AlipioSOMOS DO BEM: A PALAVRA DE DEUS 2ª-feira da 15ª Semana Tempo Comum ...Carlos Espírita
AMAR COM O AMOR DIVINO  SE EXPRESSA NA GENEROSIDADE E NO DESPOJAMENTO
Segunda-Feira da XV Semana Comum


Primeira Leitura: Is 1,10-17
10 Ouvi a palavra do Senhor, magistrados de Sodoma, prestai ouvidos ao ensinamento do nosso Deus, povo de Gomorra. 11 Que me importa a abundância de vossos sacrifícios? — diz o Senhor. Estou farto de holocaustos de carneiros e de gordura de animais cevados; do sangue de touros, de cordeiros e de bodes, não me agrado.12 Quando entrais para vos apresentar diante de mim, quem vos pediu para pisardes os meus átrios? 13 Não continueis a trazer oferendas vazias! O incenso é para mim uma abominação! Não suporto lua nova, sábado, convocação de assembleia: iniquidade com reunião solene! 14 Vossas luas novas e vossas solenidades, eu as detesto! Elas são para mim um peso, estou cansado de suportá-las. 15 Quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos. Ainda que multipliqueis a oração, eu não ouço: Vossas mãos estão cheias de sangue! 16 Lavai-vos, purificai-vos. Tirai a maldade de vossas ações de minha frente. Deixai de fazer o mal! 17 Aprendei a fazer o bem! Procurai o direito, corrigi o opressor. Julgai a causa do órfão, defendei a viúva.


Evangelho: Mt 10,34-11,1
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 10,34 “Não penseis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. 35 De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra. 36 E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares. 37 Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim. 38 Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. 39 Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. 40 Quem vos recebe a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41 Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. 42 Quem der, ainda que seja apenas um copo de água fresca, a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa”. 11,1 Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí, a fim de ensinar e pregar nas cidades deles.
_____________________
A Oração e o Sacrifício Devem Ser Traduzidos Na Vivência Da Justiça e Da Fraternidade


Ouvi a palavra do Senhor, magistrados de Sodoma, prestai ouvidos ao ensinamento do nosso Deus, povo de Gomorra. Que me importa a abundância de vossos sacrifícios? Estou farto de holocaustos de carneiros e de gordura de animais cevados; do sangue de touros, de cordeiros e de bodes, não me agrado”, disse Deus através do profeta Isaías.


No Sábado passado refletimos sobre a vocação profética de Isaías. Hoje vemos o profeta Isaias atuando com valentia. Ele se faz porta-voz de um Deus que se queixa de Seu povo. No texto de hoje, Isaías citou duas cidades: Sodoma e Gomorra como símbolos de cidades pervertidas. Isaías denuncia a falsidade de um culto considerado um refúgio para praticar mais ainda a maldade. O culto serve apenas como máscara para esonder o mal praticado. Deus declara sua recusa e seu cansaço, não do culto em geral, e sim do culto falso. Podemos dizer que, o homem fica de joelho diante de Deus, mas os mesmos pés pisam sobre a dignidade dos outros e dos seus direitos. Canta-se liturgicamente, mas não se vive de acordo o que se canta. No entanto, o texto continua com uma palavra de esperança: Deus (Yahweh) tem o projeto e o desejo de perdoar: “Vossas mãos estão cheias de sangue! Lavai-vos, purificai-vos. Tirai a maldade de vossas ações de minha frente. Deixai de fazer o mal! Aprendei a fazer o bem! Procurai o direito, corrigi o opressor. Julgai a causa do órfão, defendei a viúva”.


Is 1,10-20, onde se encontra o texto da Primeira Leitura é o primeiro oráculo do Senhor transmitido pelo profeta Isaías que contém uma crítica sobre o culto vazio de sentido, isto é, a boca reza, mas se pratica a injustiça.  Deus quer que se busque o bem e se evite o mal para que o culto tenha sentido. O bem que se busca se identifica com a justiça para com o oprimido, com a viúva e com o órfão (Is 1,16-18). Os gestos exteriores não têm valor enquanto não expressam algo profundo, algo de nosso coração. No entanto, todos esses ritos de holocaustos, sacrifícios, Sábados, peregrinações são ordenados por Deus em Lv 1,1-17; 23,1-8 com maldiçoes para quem não observa esses ritos (Lv 26,14).


Que me importa a abundância de vossos sacrifícios? Estou farto de holocaustos de carneiros e de gordura de animais cevados; do sangue de touros, de cordeiros e de bodes, não me agrado”. Aqui se apresenta a oposição entre o sangue derramado pelos animais sacrificados (Is 1,11) e o sangue de injustiças que mancha as mãos e o coração dos sacrificadores: “Quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos. Ainda que multipliqueis a oração, eu não ouço: Vossas mãos estão cheias de sangue!”  (Is 1,15).


Como se hoje Deus quisesse nos dizer: “Não continuem vindo à missa, se continuam a praticar a injustiça, a desonestidade, a corrupção...”. Até o próprio Jesus nos relembra no Sermão da Montanha: “Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta” (Mt 5,23-24). O que mais forte ainda é que Jesus citou textualmente outra passagem do próprio profeta Isaías que  critica o culto vazio, ao dizer: “Hipócrita! É bem de vós que fala o profeta Isaias: ‘Este povo somente me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de mim’” (Mt 5,7-8; Is 29,13).


Apesar disso, Deus chama o povo à conversão: “Lavai-vos, purificai-vos. Tirai a maldade de vossas ações de minha frente. Deixai de fazer o mal! Aprendei a fazer o bem! Procurai o direito, corrigi o opressor. Julgai a causa do órfão, defendei a viúva”. O órfão, a viúva são símbolos dos “economicamente débeis”. O verdadeiro culto que Deus quer é que nossa vida cotidiana seja uma vida de serviço, especialmente dos mais necessitados e débeis. O que Deus recusa é uma liturgia vazia, um culto feito de palavras e muito incenso, mas com “as mãos cheias de sangue”. Trata-se de uma liturgia que não é acompanhada de justiça social. O único remédio é a conversão para Deus.


A vida dedicada apenas a cumprir normas rituais para “agradar” a Deus termina por converter-se numa vida estéril, pois o único modo para agradar a Deus é viver na justiça e na fraternidade. Por isso, não podemos confundir nossa fé como um sistema de leis e regras cujo cumprimento dá segurança, que muitas vezes uma falsa segurança. Mas devemos considerar a fé como resposta e aposta decidida e valiosa para trabalhar em favor da fraternidade e da justiça. Isto deve ser o estilo de vida de quem quer seguir a Jesus. Para isso, todos nós somos chamados a nos converter permanentemente. Somente através da conversão é que teremos uma vida fecunda. A conversão é o momento oportuno para o crescimento na direção do bem e do Bem Absoluto que é Deus.


Todos Devem Se Submeter Aos Valores Do Reino


Estamos nas ultimas instruções de Jesus no discurso sobre a missão (Mt 9,36-11,1). Na passagem do Evangelho de hoje Jesus nos mostra quais são as condições para que sejamos Seus discípulos dignos. Radicalidade e discipulado são inseparáveis.


1. Amar Com Amor Divino


Jesus começa a última parte do discurso sobre a missão dizendo: “Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada. Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra...”


Quem acolhe Jesus e seus ensinamentos se encontra, muitas vezes, numa escolha radical, inclusive nos afetos mais íntimos, não para abandoná-los e sim para purificá-los e fazê-los mais autênticos cristãos. O amor do pai e da mãe está inscrito na natureza e é um mandamento de Deus (cf. Dt 20,12; 21,12. veja Mt 15,4; 19,19 e par.). Ao amar os nossos pais reconhecemos neles o dom da vida recebida de Deus através deles. Ao nos fazer nascer para este mundo, os pais são colaboradores do Deus Criador. No entanto, quando os amamos no Senhor, os pais devem estar em comunhão com Deus de Quem depende nossa vida e salvação. Os filhos não podem compactuar com a maldade dos pais nem os pais podem colaborar com a injustiça e a desonestidade dos filhos. neste sentido, ser verdadeiro cristão e seguir realmente a Jesus podem provocar a oposição de nossos parentes.  Amar a Jesus significa, então, amar intensamente ao Pai do céu que nos entregou Seu Filho para nos salvar (cf. Jo 3,16) e amar com mais convicção àqueles que nos entregaram materialmente a existência.  E os pais, ao amar seus filhos, vivem a paternidade e maternidade que tem sua origem em Deus. Ao amar a Jesus sobre todas as coisas, os pais são capacitados a viver como maior plenitude a doação total de si aos filhos.


O amor preferencial a Jesus, por isso, não elimina o amor humano e sim o sublima, o faz autêntico, o faz ágape, isto é, difusivo, nunca centralizador: “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim. Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim”.  É amar os outros no amor divino para tornar o amor sublime e divino. E o amor de Deus purifica tudo, pois o amor divino é redentor.


Neste contexto, a paz que Jesus traz é uma paz fundada na verdade, na justiça, na honestidade, no amor, na igualdade e assim por diante, por isso cria conflito, divisão e oposição. Mas o cristão tem que ser amigo da verdade em qualquer circunstância. O cristão tem que estar do lado da verdade e do amor. A fé, quando é coerente, nos põe diante das opções decisivas em nossa vida diariamente.


Ser cristão, seguidor de Jesus, não é fácil, e supõe saber renunciar às tentações fáceis nos negócios. A renúncia aos laços do egoísmo humano implica a dor das rupturas e do estranhamento social, mas ao mesmo tempo, produz uma nova rede divina na qual estão implicados o Pai do céu, Jesus e seus enviados e aquele que está disposto a oferecer hospitalidade generosa aos que se comprometem com o projeto de Jesus.


Por isso, o cristão tem que ser, antes de tudo, uma pessoa livre e responsável. Livre da mentalidade apegada ao lucro em nome da desonestidade. Livre para enfrentar o conflito que suscita o anúncio do Reino de Deus. Livre para se comportar e ser um verdadeiro filho de Deus como Jesus o é. É a liberdade e responsabilidade para assumir a cruz que implica o seguimento de Jesus. Quem foge é porque não está livre.


2. Ser Cristão é Viver No Paradoxo


Paradoxo é um pensamento que vai contra a opinião ou contra o pensamento, porém nele tem verdade. “Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la” é uma afirmação paradoxal. ”Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só; mas se morre, então produz muito fruto” (Jo 12,24), é outro exemplo da afirmação paradoxal.


Jesus continua seu discurso dizendo: “Quem procurar conservar sua vida, vai perdê-la”. Esta afirmação de Jesus é uma das leis fundamentais da existência: não há que tentar possuir a vida só para si. Há que sair de si mesmo; há que aprender a superar-se. Para viver em Deus temos que aprender a morrer. Para ganhar com Deus, temos que aprender a perder. Para encontrar a liberdade em Deus, temos que aprender a abandonar e a renunciar às nossas liberdades.  No esquecimento de si está a verdadeira vida, a verdadeira felicidade, o verdadeiro crescimento e a plenitude, segundo Jesus. A preocupação pela própria vida e pelos próprios interesses pode levar o cristão a trair a mensagem do evangelho. A busca de segurança e comodidade para a própria existência conduz inevitavelmente para a própria ruína.


Uma existência fechada em si mesma, centrada totalmente em si mesma, se vai esvaziando paulatinamente de sentido e acaba se perdendo. Uma existência que aceita sair de si mesma e de seus interesses, que se vai gastando e consumindo em beneficio dos demais, vai-se enriquecendo e vai-se salvando. Quem não está disposto a dar a vida, está predisposto a tirar a vida de sua fecundidade. Crer na vida eterna é entender esta vida como um viver pelos demais. O sentido da vida não está em nós, em nosso egoísmo, então, e sim no outro, nos outros, na solidariedade. O sentido da vida está no Outro de todos nós que é Deus. Crer na ressurreição é viver já para fazer possível a vida.


3. Dar é Uma Expressão da Riqueza Interior


No fim do texto Jesus nos diz: “Todo aquele que der ainda que seja somente um copo de água fresca a um destes pequeninos, porque é meu discípulo, em verdade eu vos digo: não perderá sua recompensa”.


Dar significa privar-se de algo, renunciar a algo. Estamos tão condicionados por nossa sociedade industrial e tão inclinados a possuir, a acumular, a consumir apenas. E por isso, “dar” nos parece algo improdutivo; um empobrecimento doloroso que não estamos dispostos a fazer em qualquer momento. Em nossa sociedade, o homem que dá sem receber é um homem pouco prático, sem futuro, sem sentido realista, incapaz de realizar uma operação produtiva. No entanto, o gesto de dar é a expressão mais rica de vitalidade, de força, riqueza e poder criador.


Quando damos algo de verdade, nos experimentamos a nós mesmos cheios de vida com capacidade de enriquecer os outros, ainda que seja em grau muito modesto. Dar significa estar vivo e ser rico. Quem tem muito e não sabe dar, não é rico. É um homem pequeno, impotente, empobrecido, por muito que possua. Precisamos aprender a dar nossa alegria, nossa compreensão, esperança, amor e assim por diante para que nossa vida seja cada vez mais rica em Deus.


Todo aquele que der ainda que seja somente um copo de água fresca a um destes pequeninos, porque é meu discípulo, em verdade eu vos digo: não perderá sua recompensa”.  Damos algo ou nos damos não para ganhar recompensa, mas é a parte essencial do ser cristão a exemplo de Jesus “passou a vida fazendo o bem” (At 10,38). Dar é a expressão da minha riqueza interior e o meu despojamento. Trata-se de um caminho de libertação das garras da ganância.  
P. Vitus Gustama,svd