sexta-feira, 21 de junho de 2013

VIVER AO SERVIÇO DA CAUSA DE DEUS
 
Sábado da XI Semana Comum
22 de Junho de 2013
 
Texto de Leitura: Mt 6, 24-34

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 24 “Ninguém pode servir a dois senhores: pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro. 25 Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com o vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? 26 Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem, nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros? 27 Quem de vós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? 28 E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. 29 Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. 30 Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé? 31 Portanto, não vos preocupeis, dizendo: O que vamos comer? O que vamos beber? Como vamos nos vestir? 32 Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. 33 Pelo contrário, buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo. 34 Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia, bastam seus próprios problemas”.

______________

Estamos ainda acompanhando o Sermão da Montanha (Mt 5-7). O evangelho de hoje é, na verdade, outra explicação sobre a primeira bem-aventurança: “Bem-aventurados os pobres no espírito”. A pobreza no espírito é uma disposição interior que nos permite nos rebaixarmos e converter os outros em amigos. Somente veremos o outro como inimigo se tivermos algo a defender. Mas se dissermos: “Minha casa é tua, minha alegria é tua alegria, minha tristeza é tua tristeza e minha vida é tua vida”, não teremos nada a proteger ou defender, porque não teremos nada a perder e sim tudo por partilhar. A pobreza interior é instrumento da hospitalidade.


No evangelho de hoje Jesus afirma: “Ninguém pode servir a dois senhores... Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”.   É outro modo de falar sobre a necessidade de escolher entre os “tesouros da terra” e os “tesouros do céu”. No texto do evangelho de hoje se encontra a palavra “Mammon” (aramaico), término que personifica o dinheiro, mas no sentido de algo demoníaco. O Dinheiro, com maiúscula (o dinheiro como ídolo, como razão de ser), é a potencia de escravidão. Jesus quer que não nos tornemos escravos do Dinheiro, mas quer nos ver livres.


“Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Jesus quer que seus discípulos decidam optar por uma causa só: a causa de Deus ou a causa do Dinheiro. O valor de cada uma dessas causas depende da forma como cada uma delas trata o ser humano.


A causa do Dinheiro trata o ser humano como uma mercadoria, uma coisa negociável que deve ser posta ao serviço do lucro ou benefício de uma minoria. A causa de Deus, pelo contrário, trata o ser humano como seu objetivo central, principalmente se o ser humano se encontra oprimido ou desumanizado. Deus assume a causa do ser humano como sua própria causa (cf. Jo 3,16), porque o ser humano é Seu filho e em Jesus multiplicou os motivos de sua identificação com a Humanidade.


A causa do Dinheiro é a causa do lucro, do benefício, e é a causa dos poderosos. A causa de Deus, ao contrario, é a causa da justiça e da fraternidade, e por isso, é a causa que está a favor de quem sofre as injustiças e por isso, está a favor dos injustiçados, dos empobrecidos, dos marginalizados, dos excluídos. Quem luta por esta causa está lutando com Deus e por isso, está com Deus.


Quem se põe somente ao serviço da causa do dinheiro não deve estranhar-se de que na terra se multiplicam os seres humanos sem alimento e sem vestido, sem moradia e sem saúde, sem segurança e sem educação e assim por diante. Mas quem põe sua vida ao serviço da causa de Deus, mais tarde acolherá o fruto da fraternidade e da justiça. E o alimento, o vestido, a moradia, a educação, a saúde, a segurança nunca faltarão numa sociedade de irmãos governada pela igualdade e a solidariedade. A Igreja cristã primitiva experimentou tudo isso (cf. At 4,32-37).


Jesus nos apresenta outro estilo de vida para todos os cristãos: a confiança em Deus, em oposição à excessiva preocupação pelo dinheiro: “Procurai primeiro o Reino de Deus e sua justiça; o resto vos será dado por acréscimo”. Para Jesus esta deve ser a atitude básica de cada cristão. Trata-se de colocar tudo na escala de valores. Por isso, Jesus não nos diz “procurai unicamente o Reino de Deus”, e sim “procurai primeiro o Reino de Deus...”. Com isso Jesus não exclui o resto, mas coloca o resto no seu lugar apropriado. Cristo sabe muito bem que nós não somos pássaros nem lírios, e que nós necessitamos ganhar a vida com diligência e trabalho, mas descobrindo a cada passo a providência amorosa de Deus e confiando-nos totalmente ao Pai do céu, sem angústia obsessiva pela aquisição de coisas para a manutenção cotidiana. Se Deus vela com solicitude sobre criaturas tão insignificantes como os pássaros e as flores, quanto mais sobre os homens, seus filhos, todos nós que colaboramos na Sua obra.


Jesus, com seu ensinamento, quer libertar seus seguidores da inquietude através da consagração da própria vida a Deus e da fidelidade na busca do Reino de Deus. Por isso, Jesus introduz no seu ensinamento a palavra “Pai” para que o cristão tenha o sentimento de confiança filial capaz de tranqüilizar sua natural inquietude. E a serenidade não será alcançada sem a observância da justiça: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça”.


A confiança e o abandono nas mãos do Pai celeste que Jesus nos pede hoje é a fé n’Aquele a quem servimos e por quem nos sentimos amados. Deus sabe muito bem que necessitamos de muitas coisas para a subsistência de cada dia que se fundamenta no dinheiro, fruto de nosso trabalho honesto e nos bens que com o dinheiro se adquirem. Por isso, no texto anterior, Jesus nos ensinou a rezar: “Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia”.


Mas esta confiança em Deus não nos isenta de nossa responsabilidade nas tarefas temporais, não nos permite desinteressarmos do nosso compromisso cristão no mundo. Se nós acreditamos que Deus é absoluto em tudo, então o resto é relativo ou é apenas meio ou instrumento e não o fim. Por isso, Jesus nos alerta: “Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Dinheiro é um deus que tem seu altar em cada coração humano. Ninguém está isento de servir ao deus- dinheiro. Mas Santo Agostinho dizia: “Se tu pensas em Deus com parâmetros carnais, tua mente se converterá em uma fábrica de ídolos”. “Amando a Deus nos tornamos divinos; amando ao mundo nos tornamos mundanos. O amor ao mundo corrompe a alma; o amor ao Criador do mundo a purifica. O homem não se torna bom por possuir coisas boas. Ao contrário, o homem bom torna boas as coisas que possui, ao usá-las bem”, acrescentou Santo Agostinho.

P. Vitus Gustama, SVD

Nenhum comentário: