segunda-feira, 11 de março de 2013

COM JESUS E NELE A MINHA  ESPERANÇA SE TORNA REALIDADE
 
 

Terça-feira da IV Semana da Quaresma
12 de Março de 2013
 
Texto de Leitura: Ez 47,1-9.12;  Jo 5,1-16


1Houve uma festa dos judeus, e Jesus foi a Jerusalém. 2Existe em Jerusalém, perto da porta das Ovelhas, uma piscina com cinco pórticos, chamada Betesda em hebraico. 3Muitos doentes ficavam ali deitados — cegos, coxos e paralíticos. 4De fato, um anjo descia, de vez em quando, e movimentava a água da piscina, e o primeiro doente que entrasse, depois do borbulhar da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. 5 se encontrava um homem, que estava doente havia trinta e oito anos. 6Jesus viu o homem deitado e sabendo que estava doentetanto tempo, disse-lhe: “Queres ficar curado?” 7O doente respondeu: “Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina, quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente”. 8Jesus disse: “Levanta-te, pega tua cama e anda”. 9No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou sua cama e começou a andar. Ora, esse dia era um sábado. 10Por isso, os judeus disseram ao homem que tinha sido curado: “É sábado! Não te é permitido carregar tua cama”. 11Ele respondeu-lhes: “Aquele que me curou disse: ‘Pega tua cama e anda’”. 12Então lhe perguntaram: “Quem é que te disse: ‘Pega tua cama e anda’?” 13O homem que tinha sido curado não sabia quem fora, pois Jesus se tinha afastado da multidão que se encontrava naquele lugar. 14Mais tarde, Jesus encontrou o homem no Templo e lhe disse: “Eis que estás curado. Não voltes a pecar, para que não te aconteça coisa pior”. 15Então o homem saiu e contou aos judeus que tinha sido Jesus quem o havia curado. 16Por isso, os judeus começaram a perseguir Jesus, porque fazia tais coisas em dia de sábado.

*************

Jo 5,1-16 como o texto de nossa reflexão neste dia se encontra na primeira parte do evangelho de João (Quarto Evangelho) conhecida comoLivro dos sinais” (Jo 2,1-12,50). Chama-se “Livro dos Sinaisporque, nesta parte, referem-se aos sete sinais realizados por Jesus. Os sete sinais são: a transformação da água em vinho (Jo 2,1-12), a cura do filho do funcionário real (Jo 4,46-54), a cura do paralítico (Jo 5,1-9), a multiplicação dos pães/partilha dos pães (Jo 6,1-15), Jesus anda sobre as águas (Jo 6,16-21), a cura do cego de nascença (Jo 9,1-41), e a “ressurreição”/reanimação de Lázaro (Jo 11,1-44).


O “sinal”, por definição, visa a outra realidade além de si mesmo. Por isso, este nome (sinal) indica que se trata de ações simbólicas, pois os sete sinais são as setas indicadoras que nos impulsionam a buscarmos muito mais além do episódio concreto, uma realidade mais profunda para a qual aponta o relato narrado.


1. Jesus é Água viva


O nome da piscina onde se encontra o paralítico, como outros enfermos, é “Betesda”. Sua etimologia aramaica significaria “casa da misericórdia” (outros dizem que significaria “lugar do derramamento”: beth ‘eshdah, hebariaco). É uma espécie de refúgio para adoentados de todo tipo. Essa piscina foi descoberta pelos arqueólogos em 1931-1932 entre as ruínas da basílica de Santa Ana.


Os enfermos (cegos, coxos e paralíticos) estavam próximos dessa piscina porque acreditava-se que aquelas águas tinham poder curativo. Acreditava-se, conforme o relato, que quem pulasse primeiro nessas águas, ficaria curado de sua doença. Por isso, podemos imaginar cada disputa e concorrência sem piedade, pois cada um quer ficar curado. Raiva, rancor e expectativa se misturam numa pessoa só. Raiva e rancor ao ver que o outro conseguiu rapidamente entrar na água. Expectativa porque cada um fica esperando o borbulhar da água para poder pular a fim de ficar curado. Mas isso supõe pessoas prontas para ajudar o doente a entrar na piscina. Mas até quando pode pular na piscina, tendo tanta gente doente perto da piscina. O nome “Betesda” que significa “casa de misericórdia” se torna um paradoxo, pois há mais miséria do que misericórdia.


Podemos imaginar também a solidão de um que sofria durante trinta e oito anos sem ninguém para ajudá-lo. Trinta e oito anos de sofrimento. Só faltavam dois anos para completar uma geração.  É um solitário que necessita da misericórdia de outras pessoas ali presentes. Mas cada uma dessas pessoas se preocupa com seu próprio doente. O doente está num estado desesperador. O evangelista João gosta de ressaltar casos tão desesperadores, como Lázaro enterrado há quatro dias (Jo 11,39-44), o cego de nascença (Jo 9,1-41) para destacar o poder de Deus que ultrapassa os limites humanos, que faz o impossível em possível (Lc 1,37).


Por esta razão o que mais importante neste relato não é saber se as águas tinham ou não tinham poder curativo. O ensinamento fundamental que o evangelista João quer nos transmitir é que a Palavra de Jesus é vivificante. A palavra de Jesus dá vida. Jesus é a água viva que purifica e sacia a sede eterna da felicidade do homem (cf. Jo 4,1-42). A palavra de Jesus tem poder vivificador, isto é, dá vida, vivifica. A vida eterna, a salvação encontra em Jesus. Em são João esta água é o Espírito que mana de Cristo glorificado: “Se alguém tiver sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, do seu interior manarão rios de água viva” (Jo 7,37-38). Unicamente de Cristo nos pode vir a fecundidade, a vida, tanto para o nível pessoal como para o nível coletivo. Nossa vida se rejuvenesce quando o Espírito de Deus nos inunda.


2. A primazia do amor sobre a lei por sagrada que ela seja


O relato da cura do enfermo da piscina Betesda nos coloca diante da polêmica típica dos evangelhos: a primazia do amor sobre a lei. Jesus enfatiza que a necessidade do ser humano está acima de qualquer lei ainda que uma lei seja sagrada. Jesus não se preocupa em cumprir o preceito de descanso (Jo 5,9b); para ele conta somente o bem do homem em qualquer circunstância, muito mais ainda quando se trata de uma vida em jogo.  Jesus comunica uma nova vitalidade que permite os homens se levantarem de prostração. Para os dirigentes do povo, ao contrário, conta somente a observância da lei ou do preceito (Jo 5,10). A observância da lei de descanso equivale à observância da lei toda; sua violação é a violação da lei inteira. O foco da atividade de Jesus é o homem e não a própria atividade.
 

Precisamos nos examinar se freqüentamos a Igreja para cumprir preceitos ou para celebrar alguma coisa. Precisamos nos perguntar também se colocamos pessoas no centro de nossas atividades ou fazemos apenas uma agitação estéril. Se não colocarmos as pessoas como o centro de todas as nossas atividades pastorais, trabalharemos inutilmente na Igreja de Jesus Cristo. Ama menos que se preocupa demasiadamente com as regras. As regras devem ajudar o homem a crescer e a se aproximar mais de Deus.


3. Jesus é a nossa única esperança


Os enfermos estão próximos da piscina, não podem entrar no Templo, estão esperando uma possibilidade de encontrar-se com Deus. Para o paralitico do evangelho de hoje, símbolo de tantos que esperam, a agitação da água era algo que o mantinha na esperança ainda que essa esperança levasse muitos anos sem ver-se realizada: 38 anos de sofrimento, quase uma vida inteira (o numero 40 representa uma geração).


A única coisa que mantinha o paralítico na esperança, apesar de um longo sofrimento, era a água agitada de cura. Mas apareceu o inesperado, maior do que a água agitada: Jesus Cristo, Água viva.


O que mantém você na esperança nesta vida? Qual é sua esperança nesta vida?

Jesus se aproxima do paralítico com esta pergunta: “Queres ficar curado?”. Apesar de seu relato pouco longo, Jesus compreende que o paralítico quer realmente a cura. Por isso, logo em seguida Jesus disse as seguintes palavras: “Levanta-te, pega tua cama e anda”. A cama carregava o paralítico durante tanto tempo e o fazia deitado nela. Agora é ele quem carrega a cama. É superação. A força de Jesus penetra na vida desse homem que o faz capaz de superar tudo na vida e de carregar tudo, pois a força que está dentro é a própria força do Senhor.


Queres ficar curado?” é a pergunta dirigida a cada um de nós. Queres ficar curado do teu pecado e de tua mesquinhez? Queres ficar curado da tua angústia, da tua confusão, e de tua preocupação? Queres ficar curado da tua doença, da tua depressão? Mas será que nós sabemos o que queremos? Será que ainda somos capazes de querer e de querer viver? Quem nos dará hoje a vontade de viver, de reviver? Quem nos dará forças para lutar e andar?

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: